Outros sites Cofina
Notícia

Cascais testa primeiro camião elétrico para recolha de resíduos sólidos

Projeto-piloto pioneiro em Portugal vai decorrer durante três semanas com um veículo elétrico com autonomia até 200 km.

Sónia Santos Dias 22 de Novembro de 2022 às 09:39
Pixabay
  • Partilhar artigo
  • ...

O município de Cascais vai testar o funcionamento do primeiro camião elétrico para recolha de resíduos sólidos urbanos do país, num projeto-piloto com a duração de três semanas.

Para a Cascais Ambiente, empresa municipal encarregue da recolha de resíduos urbanos no concelho, este teste decorre dos seus próprios objetivos climáticos e operacionais, bem como da exigência por parte dos munícipes de Cascais, para a descarbonização, a diminuição de ruído e a proliferação de transportes mais amigos do ambiente, dentro do concelho.

O objetivo doi projeto é testar a performance do camião elétrico, que em operação tem emissões de carbono nulas. "Temos como objetivo acelerar os processos tecnológicos que nos permitam reduzir a pegada ecológica da nossa operação", afirma Luís Capão, presidente da Cascais Ambiente, em comunicado.

O camião que vai estar a operar na recolha de resíduos sólidos urbanos no concelho de Cascais é um camião com 27 toneladas de peso bruto, equipado com uma superestrutura de recolha de resíduos sólidos urbanos, também 100% elétrica e que é acionada pela tomada de força elétrica do camião.

O projeto-piloto vai permitir adquirir o conhecimento necessário para melhorar o protótipo adaptado às circunstâncias portuguesas. "Para a Cascais Ambiente, este primeiro contacto com um camião de recolha totalmente elétrico prenuncia um avanço que queremos fazer em direção à descarbonização da operação", acrescenta Luís Capão.

O veículo foi adaptado para dar resposta às necessidades de carregamento do concelho, para que a viatura esteja o máximo de tempo em operação. "Este é um trabalho em equipa, onde se tem em consideração fatores como rotas, capacidade das baterias, horários de carregamento disponíveis e tempos de trabalho. Tudo isto, no sentido de tirar o máximo partido de uma solução de transporte que cumpra com os objetivos definidos", explica Manuel Castro e Matos, diretor Comercial de Camiões da Auto Sueco Portugal.


Veja também: Luís Almeida Capão: "O valor acrescentado da limpeza urbana é de 468 milhões de euros anuais"



 

 

 

 

Mais notícias