Novo abalo nas criptomoedas. Roubaram mais 32 milhões de dólares na Coreia

É a segunda vez em duas semanas que uma bolsa coreana se diz vítima de furto de criptomoedas. O anúncio volta a preocupar os investidores em relação à segurança destes activos.
Reuters
pub
Ana Batalha Oliveira 20 de junho de 2018 às 10:54

Em apenas duas semanas, as bolsas de criptomoedas sul-coreanas acusaram dois ciberataques, que resultaram no furto destas moedas digitais. Esta quarta-feira, a Bithumb, a sétima bolsa com a maior capitalização a nível global, acusou o roubo de 32 milhões de dólares.
Face a estas notícias, as criptomoedas vêem novas quebras. A bitcoin cai agora 0,82% para os 6.640,58 dólares, mas já deslizou mais de 2% durante a sessão. Esta moeda digital já afundou mais de 51% desde o início do ano, altura na qual cotava nos 13.600 dólares.

Mas a bitcoin não fica sozinha nas perdas. A ethereum está a desvalorizar 1% para os 526,0699 dólares, mas também já desvalorizou perto de 3%. Já a ripple superou esta fasquia, chegando a ceder 3,22%, para agora cair 1,90% rumo aos 0,53 dólares. 

A Bithumb garantiu que iria compensar os investidores afectados pela falha na segurança. Para já, interrompeu os depósitos e levantamentos de criptomoedas e transferiu estes activos para uma carteira sem ligação à internet, de forma a acrescentar segurança. 

 

última denúncia de roubo veio da sul-coreana Coinrail. Esta bolsa garantiu ter congelado todas as exposições e que está a rever o sistema de forma a bloquear este tipo de ataques.
Estes problemas surgem numa altura em que as moedas digitais estão sob escrutínio do Departamento de Justiça norte-americano, que abriu uma investigação criminal para apurar se os traders estiveram a manipular o preço da famosa moeda digital bitcoin, avançou a Bloomberg. Em causa estão alegadas operações fictícias neste mercado em ascensão. A investigação estende-se também a outras criptomoedas. 

pub