Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cobalto foi vítima do fascínio pelos carros elétricos

Os preços do cobalto estavam a subir tanto no ano passado que muitos ladrões assaltavam os armazéns do porto mais movimentado da Europa para obterem o cobiçado metal. Agora, os preços estão em queda livre e as empresas mineiras sofrem o impacto financeiro.

Bloomberg
Bloomberg 04 de Março de 2019 às 21:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

O que aconteceu foi um caso clássico de escalada seguida de queda, comum entre as matérias-primas. No caso do cobalto, o motor de arranque foi a visão de Elon Musk [CEO da Tesla] de que os carros elétricos conquistariam o interesse popular e a consequente entrada em força de capital que apostou que o mundo precisaria de muito mais cobalto, componente fundamental das baterias de iões de lítio.

 

A intensificar esse fascínio esteve a visão amplamente aceite de que a oferta de cobalto é restrita. Geologicamente falando, o metal não é raro, mas é quase exclusivamente produzido como subproduto da produção de cobre e níquel.

 

Mas a ideia de que uma oferta maior de cobalto dependia de que esses metais tivessem preços mais altos acabou por ser um mito.

 

Em vez disso, a escalada dos preços do cobalto provocou uma explosão na oferta da República Democrática do Congo. Consequência: os preços caíram mais de 60% em relação ao pico de abril de 2018, para 15,88 dólares por libra-peso, refere a Fastmarkets.

 

Explosão da oferta

 

A Glencore, maior produtora de cobalto, ampliou essa liderança em 2018 com uma grande expansão de suas minas do Congo.

 

As empresas mineiras chinesas também aumentaram a sua produção para alimentar a procura crescente das fabricantes de baterias.

 

Corrida ao cobalto

 

Os preços recorde também desencadearam uma corrida ao "ouro dos tempos modernos" no Congo. Milhares de garimpeiros acorreram a explorar depósitos minerais ricos em cobalto, muitas vezes trabalhando ilegalmente em minas improvisadas e perigosas nas quais o minério é extraído à mão.

 

A oferta desses garimpeiros mais do que duplicou entre 2016 e 2018, segundo a corretora Darton Commodities.

 

Constituição de inventário

 

A Glencore está a acumular grandes stocks de cobalto na mina de Kamoto e nos armazéns da África do Sul depois de ter decidido suspender as vendas desta mina após a descoberta de minério radioativo.

 

Os baixos preços do cobalto também prejudicam financeiramente a Glencore. A empresa não cumpriu as estimativas dos analistas no último balanço dos resultados.

 

Recuperação à vista?

 

Apesar da depressão atual no mercado do cobalto, ainda há muito otimismo em relação ao futuro. As constutoras automóveis continuam a planear lançar modelos de carros elétricos e a Glencore poderá começar a eliminar a acumulação de cobalto em 2020, altura em que as vendas de carros devem começar a aumentar.

 

O Citigroup prevê que o cobalto valorize 16% este ano, porque a paralisação da mina Katanga acabará por criar um défice da matéria-prima no mercado. O CEO da Glencore, Ivan Glasenberg, descreveu o fraco desempenho do cobalto em 2018 como uma queda passageira e disse que os preços provavelmente estão a aproximar-se do ponto mais baixo – para depois retomarem.

 

(Texto original: How the Cobalt Market Fell Victim to Allure of Electric Cars)

Ver comentários
Saber mais Ivan Glasenberg Elon Musk Katanga Cobalt Tesla República Democrática do Congo Kamoto Glencore Allure Darton Commodities cobalto
Outras Notícias