Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

Olga Roriz: “Como será o corpo da nova geração?”

Quando tudo isto passar, talvez a saudade do corpo se manifeste, diz a coreógrafa Olga Roriz. Talvez a ausência forçada dê lugar a um corpo mais presente. Talvez se possa dançar de novo e em todos os palcos. Em 2022, a companhia vai estrear o espectáculo “Insónia”, terá uma peça no Louvre, irá celebrar Saramago e vai preparar uma nova criação com os reclusos do estabelecimento prisional do Linhó. A sua dança não pára.
Lúcia Crespo e Estelle Valente - Fotografia 14 de Janeiro de 2022 às 11:00

Quando tudo isto passar, talvez a saudade do corpo se manifeste, diz a coreógrafa e bailarina Olga Roriz. Talvez a ausência forçada dê lugar a um corpo mais presente. Quando tudo isto passar, talvez se possa dançar de novo e em todos os palcos. "Insónia", o novo espetáculo da sua companhia, tinha estreia marcada no CCB. A pandemia adiou este encontro de corpos, reagendado para maio no Teatro Camões. "Insónia" é uma reivindicação do lugar do corpo - da sua energia e da sua fragilidade. E porque o tempo não pára, no dia 14 de fevereiro, Olga Roriz exibe no Louvre a peça "Pas d’ Agitation", durante a Saison France-Portugal. A coreógrafa foi também convidada pela Companhia Nacional de Bailado para celebrar o centenário de José Saramago, e vai preparar uma nova criação com os reclusos do estabelecimento prisional do Linhó. A peça chama-se "A minha estória não é igual à tua" e estreia em julho na Fundação Calouste Gulbenkian.

Ver comentários
Saber mais Olga Roriz 2022 pandemia corpo 25 de Abril CCB Paris Louvre Saramago teatro dança ginásio Gulbenkian Vera Mantero São Carlos Pina Bausch cultura artistas
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal