Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

Tradwife em Portugal? Talvez não

Nos últimos anos, os movimentos conservadores femininos têm crescido no palco internacional. Em Portugal, a tendência parece não ter o mesmo peso e há quem acredite que, dadas as características da sociedade portuguesa, tal não venha a acontecer, pelo menos nos formatos mais radicais. O que não quer dizer que movimentos como estes não possam afetar negativamente a situação das mulheres, defendem investigadores e ativistas
Susana Torrão 20 de Novembro de 2021 às 11:00

"Os machos alfa gostam de ter o controlo sobre o seu grupo. Mas a mulher não faz parte desse grupo; a mulher é parte deles. Os machos alfa são aqueles que moldam o mundo. São os nossos líderes, os nossos ‘trendsetters’, os nossos agitadores (...) Sem eles, a raça humana não pode progredir." Este texto de elogio ao "homem macho" data de novembro de 2021 e foi publicado na página de Facebook do movimento conservador feminino Tradwife, que defende, entre outras coisas, a "submissão feminina respeitosa" numa relação.

 

Não é caso isolado. Estes movimentos têm vindo a ganhar espaço em países como Estados Unidos, Reino Unido ou Japão. Nos EUA, Dixie Andelin Forsyth reeditou "Fascinating Womanhood", o livro escrito pela mãe, Helen Andelin, com conselhos sobre casamento e comportamento. Lançou também "oficinas de feminilidade". No Reino Unido, Alena Kate Pettitt, fundadora da plataforma The Darling Academy, criada com o intuito de promover "valores, estilo de vida e boas maneiras da família tradicional", gerou polémica ao afirmar que a opção de ficar em casa é um "ato feminista".

 

Esta não é a primeira vez que surgem movimentos femininos de combate ao feminismo. Na década de 1970, Phyllis Schlafly, ativista conservadora norte-americana, encabeçou a campanha "STOP ERA", determinada a evitar a ratificação da Emenda para a Igualdade de Direitos, e conseguiu alcançar o objetivo: apenas 35 dos 38 estados requeridos ratificaram o diploma. Um episódio retratado na minissérie "Mrs. America", produzida no ano passado pela HBO, com Cate Blanchett no papel de Schlafly.

Negócios Premium
Conteúdo exclusivo para assinantes
Já é assinante? Inicie a sessão
Assine e aceda sem limites, no pc e no smartphone
  • Conteúdos exclusivos com melhor da informação económica nacional e internacional;
  • Acesso sem limites, até três dispositivos diferentes, a todos os conteúdos do site e app Negócios, sem publicidade intrusiva;
  • Newsletters exclusivas;
  • Versão ePaper, do jornal no dia anterior;
  • Acesso privilegiado a eventos do Negócios;
Ver comentários
Saber mais Tradwife mulheres feminismo extrema-direita Phyllis Schlafly Mrs America HBO Cate Blanchett Sofia Aboim família 25 de Abril Rita Rato Aljube
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal
Informação de qualidade tem valor. Invista. Assine já 1mês / 1€