Mikhaíl Bulgákov, Margarita e o mestre

A União Soviética da década de 1930 é o pano de fundo para esta excelente novela à volta das motivações de Bulgákov para escrever “Margarita e o Mestre”.
Jornal de Negócios
pub
Fernando Sobral 28 de julho de 2018 às 09:00

Mikhaíl Bulgákov criou várias gerações de fãs depois do sucesso da sua mais famosa novela, "Margarida e o Mestre". O livro era, afinal, um olhar atento e crítico à burocracia soviética da altura. O "mestre" de Bulgákov era um escritor que se vê censurado pela moral soviética. Aí, sobrava Margarita (ou Margarida), que tentava proteger as obras do "mestre". Numa era de purgas e de repressão estalinista, em plena década de 1930, Margarita tem de criar condições para isso, entre o Céu e o Inferno.

Este livro de Julie Lekstrom Himes imagina a paixão que terá motivado o livro de Bulgákov que, não o esqueçamos, era também um físico. Himes mistura aqui a história, a ficção e a paixão e, por isso, é difícil resistirmos ao seu perfume. Também nos transporta para o universo das ambiguidades morais russas e, sobretudo, para a difícil fronteira entre o Bem e o Mal.

Assim, o que terá acontecido no primeiro dia em que Bulgákov se sentou para escrever uma história sobre o "mestre" e o Diabo em Moscovo? Logo no início sente-se o desconforto: "Mikhail Afanásievitch Bulgákov estava sentado de costas para uma janela aberta no ricamente mobilado restaurante da União dos Escritores Soviéticos de Moscovo. Estávamos no final da Primavera de 1933. O seu amigo Osip Mandelstam debruçava-se sobre a pequena mesa para realçar uma ideia, mas Bulgákov não estava a ouvir. Pensava na jovem amante do amigo, imaginando como lha poderia roubar". Margarita, é claro. Jantam, mas à sua volta sente-se todos os desconfortos do mundo. Mandelstam diz: "Só neste país é que a poesia é respeitada. (…) Não há outro lugar onde sejam mortas tantas pessoas por causa dela".

Não é isso que nesse momento preocupa Bulgákov. Quer saber mais de Margarita, uma jovem cheia de segredos. Ela move-se num mundo de intelectuais como Stanislawski ou a poeta Anna Akhmátova. E Himes consegue que todos estes personagens tenham algo de muito real, numa altura em que Osip Mandelstam pressente que vai ser afastado pelas purgas estalinistas. Bulgákov tentará, sem conseguir, ajudar o seu amigo que acaba preso e começa a recear pelos seus escritos. No fundo, ele não é um dissidente: é um artista. Margarita, por seu lado, acha que dizer a verdade é fundamental. Bulgákov é motivado a fazer um esboço de uma carta a enviar ao Governo soviético a pedir a libertação de Mandelstam. Não quer emigrar e ama o seu país.

Este é, de resto, um tema muito habitual na escrita russa: a questão da identidade nacional face à artística. Tudo se complica quando um membro proeminente dos serviços secretos soviéticos, Ilya Ivanovich, também se apaixona por Margarita. E quando esta é enviada para um "campo de reeducação", ambos tentam salvá-la, provando que não há seres com uma única dimensão. Margarita tem nas mãos um dilema quase insolúvel: como negociar alguma liberdade, entre Bulgákov (o homem que ama e o escritor que quer proteger) e Ilya (aquele que tem o poder sobre o futuro de Bulgákov)? É neste contexto fascinante que se move esta obra muito estimulante.

pub

Outros livros

Reflexões à volta do mundo de Trump

Eduardo Paz Ferreira faz, neste livro sólido, uma análise dos reflexos da acção de Donald Trump. É uma obra que demonstra a tensão global à volta de um líder que diz tudo e o seu contrário. A sua acção tem reflexos: "O apagamento do Estado, a afirmação de uma globalização sem regras nem valores outros que não os financeiros, bem como a instalação de redes de influência económica que comandam a política abriram o caminho para uma crise social sem precedentes", escreve com autoridade.

Eduardo Paz Ferreira

Os Anos Trump

pub

Gradiva, 234 páginas, 2018

A história de uma mulher de coragem

Clara Macedo Cabral sabe como contar uma história fascinante. E esta, a de Ginnie Dennistoun (ou Virginia Montsol merece-a. É a vida de uma mulher de coragem que, claramente, está muito à frente do seu tempo. Apaixonada por cavalos, chega a Portugal na década de 60. Encontra um país fechado, mas é num meio ainda mais selecto (o dos toiros) que logra conquistar o seu espaço. Ao mesmo tempo, desenvolve uma paixão, algo secreta, com um toureiro. Para apreciar.


Clara Macedo Cabral

A Inglesa e o Marialva

pub

Casa das Letras, 349 páginas, 2018

Os mil desafios de uma mulher

Escritora norte-americana, Carmen Maria Machado traz-nos esta obra, onde a narradora nos vai contando inúmeras histórias sobre si própria e sobre o que vai observando. São reflexões sobre as mulheres, sobre o seu poder, sobre a paixão e o sexo. Tudo se cruza, dando-nos assim um panorama sobre os dilemas que se colocam às mulheres nesta época de profundas mutações. É o mundo através do olhar feminino que descobrimos aqui. Uma nova voz que vem dos EUA.


Carmen Maria Machado

O Corpo Dela e Outras Partes

pub

Alfaguara, 274 páginas, 2018

pub

pub