Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Covid-19: Infarmed diz que se mantêm condições de aprovação do remdesivir

Segundo o Infarmed, a Agência Europeia do Medicamento "encontra-se a avaliar a situação, tendo solicitado à OMS e à empresa titular todos os dados existentes".

Lusa 20 de Novembro de 2020 às 22:03
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O regulador nacional do medicamento indicou que se "mantêm as condições da aprovação", na Europa, do uso do antiviral remdesivir em doentes com covid-19, assinalando que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) está a reapreciar o processo.

Em comunicado, o Infarmed - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde refere que "à data, a nível da Europa, entende-se que se mantêm as condições da aprovação do medicamento, até à conclusão da revisão de dados que está presentemente a ser realizada pela EMA e que poderá determinar, ou não, a alteração dos termos da Autorização de Introdução no Mercado".

Numa recomendação divulgada ontem, peritos da Organização Mundial da Saúde (OMS) consideram que "não há provas de que o remdesivir tenha qualquer benefício para os doentes e desaconselham o seu uso, quer pela possibilidade de efeitos secundários quer pelo que implica a sua administração", que tem que ser intravenosa.

Segundo o Infarmed, a EMA "encontra-se a avaliar a situação, tendo solicitado à OMS e à empresa titular todos os dados existentes".

Hoje, na habitual conferência de imprensa de balanço da pandemia em Portugal, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Sales, disse que o antiviral vai continuar a ser usado no tratamento de doentes com covid-19 enquanto não houver outra orientação da Agência Europeia do Medicamento.

Em outubro, Portugal anunciou o gasto de cerca de 35 milhões de euros em doses do medicamento, fabricado pela farmacêutica norte-americana Gilead, que contestou a nova orientação da OMS.

Na Europa, o remdesivir obteve uma "autorização condicional aplicável a todos os Estados-membros", tendo por base os resultados de um ensaio clínico "que mostrou melhoria no tempo de recuperação dos doentes hospitalizados com covid-19", esclarece o Infarmed, acrescentando que, num outro ensaio clínico de larga escala, promovido pela OMS, o antiviral "não demonstrou efeito na duração do período de hospitalização".

A autoridade nacional do medicamento realça que o grupo de peritos da OMS "reconheceu a necessidade de investigação adicional, em especial para aumentar o grau de evidência em grupos específicos de doentes", e que os dados nos quais se baseia a nova orientação "são preliminares", tendo a OMS "decidido manter em curso" o seu ensaio clínico.

Na sua revisão, os peritos da OMS consideraram que o remdesivir "não tem qualquer efeito significativo na mortalidade ou noutros resultados importantes para os doentes, como a necessidade de ventilação ou a rapidez nas melhoras".

A pandemia da covid-19 provocou pelo menos 1.360.914 mortos resultantes de mais de 56,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.762 pessoas dos 249.498 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.
Ver comentários
Saber mais Covid-19 Europa Produtos de Saúde Agência Europeia do Medicamento EMA Infarmed OMS Portugal saúde tratamentos
Outras Notícias