Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Economia portuguesa com recuperação “menos intensa” à porta do verão

Na síntese económica de conjuntura, o INE destaca que, à exceção do comércio a retalho e da construção, a generalidade dos indicadores de curto prazo ainda não atingiu os níveis anteriores à pandemia de covid-19.

O setor do turismo volta a ser fortemente atingido pelo reagravamento da situação pandémica causado pela variante Delta.
João Cortesão
Negócios jng@negocios.pt 19 de Julho de 2021 às 11:39
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...

A economia portuguesa registou taxas de crescimento elevadas em vários indicadores durante os meses de maio e de junho, em relação ao período homólogo, mas "menos intensas no último mês", destaca o Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

"Com exceção do comércio a retalho e da construção, a generalidade dos indicadores de curto prazo ainda não atingiu em maio os níveis do período homólogo de 2019. No caso do turismo, a atividade em maio situou-se ainda significativamente abaixo do observado em igual período de 2019", sublinha o INE.

 

O instituto frisa que os indicadores de atividade económica, consumo privado e investimento tiveram "crescimentos significativos" em maio, mas "menos intensos" do que em abril, o que se deve ao facto de comparar com o mês de 2020 em que as restrições devido à pandemia eram maiores

 

A síntese económica de conjuntura, divulgada esta segunda-feira, 19 de julho, destaca ainda que o indicador de clima económico aumentou no mês passado "de forma ténue", superando nos últimos dois meses o nível observado no início da pandemia (março de 2020).

 

Já as estimativas provisórias mensais do Inquérito ao Emprego mostram que a taxa de desemprego (dos 16 aos 74 anos), ajustada de sazonalidade, foi de 7,2% em maio, mais 0,2 p.p. do que em abril. A taxa de subutilização do trabalho situou-se em 12,8%.

 

Em matéria de preços, a variação homóloga do IPC foi 0,5% em junho (1,2% em maio). O índice de preços na produção da indústria transformadora apresentou em junho uma taxa de variação homóloga de 7,3% (6,3% no mês anterior). Excluindo a componente energética, aumentou 5,3%, conclui o INE.

Ver comentários
Saber mais economia comércio construção turismo investimento emprego inflação INE pandemia
Outras Notícias