Economia Incêndios: "Acidente eléctrico" na origem de fogo da Lousã em Outubro

Incêndios: "Acidente eléctrico" na origem de fogo da Lousã em Outubro

O incêndio de 15 de Outubro na Lousã, um dos maiores do ano passado em Portugal, teve origem num "acidente eléctrico", disse hoje o investigador Paulo Fernandes, membro da comissão técnica nomeada para analisar os maiores fogos de 2017.
Incêndios: "Acidente eléctrico" na origem de fogo da Lousã em Outubro
Lusa 18 de janeiro de 2018 às 18:09

O investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), membro da comissão técnica independente que analisou os fogos de Junho passado e que está a analisar os de Outubro, explicou que o incêndio que se iniciou na Lousã, distrito de Coimbra, e que disse ser "o maior de sempre em Portugal, foi causado exactamente por um acidente eléctrico".

A SIC avançou que está concluído o inquérito ao incêndio de Junho em Pedrógão Grande, com o Ministério Público a constituir um total de nove arguidos e a confirmar que uma descarga eléctrica esteve na origem do fogo, tal como refere o relatório da comissão técnica independente.

Instado a comentar esta conclusão à investigação, à margem de um encontro em Vila Real, Paulo Fernandes considerou que este "tipo de acidentes eléctricos, com ou sem raio, são relativamente frequentes em dias com as condições meteorológicas que se fizeram sentir em Pedrógão Grande".

"Os fogos naturais sempre ocorreram e os fogos por acidente eléctrico também, particularmente em dias deste tipo, com ventos. Voltou a acontecer em 15 de Outubro, por exemplo: o fogo que se iniciou na Lousã e é o maior de sempre em Portugal foi causado exactamente por um acidente eléctrico de um cabo de alta tensão, creio, que bateu numa árvore ou de uma árvore que tombou sobre um cabo", salientou.

A comissão técnica independente nomeada pelo Governo tem até 19 de Fevereiro para entregar o seu relatório sobre os incêndios de Outubro na Assembleia da República.

Os grandes incêndios de 2017, primeiro em Pedrógão Grande (distrito de Leiria), em Junho, e depois em vários concelhos da região Centro, em Outubro, vitimaram pelo menos 111 de pessoas, deixando ainda dois desaparecidos.

Paulo Fernandes falava aos jornalistas à margem de uma reunião de trabalho dos parceiros do projecto Firextr, que é coordenado pela Universidade do Porto e tem como base "prevenir e preparar a sociedade para eventos extremos de fogo: o desafio de ver a floresta e não somente as árvores".

O projecto arrancou em Julho de 2016 e deverá estar concluído até Junho de 2019.     

Esta reunião de trabalho antecedeu um congresso que junta especialistas nacionais e estrangeiros num debate sobre os incêndios extremos, os seus factores e casos de estudo recentes, como o de Pedrógão.