Economia Ordem da Trindade vai investir mais de 10 milhões nas traseiras da Câmara do Porto

Ordem da Trindade vai investir mais de 10 milhões nas traseiras da Câmara do Porto

Situado entre o edifício do Paços do Concelho e a estação de metro da Trindade, todo o quarteirão rectangular que a instituição ocupa vai ser profundamente reabilitado, incluindo aquela que é a maior igreja da cidade.
Ordem da Trindade vai investir mais de 10 milhões nas traseiras da Câmara do Porto
Arrancaram as obras de reabilitação de todo o quarteirão situado entre o edifício da Câmara do Porto e a estação de metro da Trindade.
Rui Neves 15 de maio de 2020 às 21:52

"Ao longo destes séculos de existência, a Ordem da Trindade enfrentou guerras e pandemias, invasões e crises, viveu através de diferentes regimes políticos e desempenhou missões distintas, mas sempre relevantes para a cidade do Porto e para os seus cidadãos", afirma Francisco Miranda Duarte, diretor geral desta instituição privada de solidariedade social, sem fins lucrativos.

 

Trata-se de uma das mais antigas e emblemáticas instituições do Porto, que neste ano de 2020, quando comemora o seu 265.º aniversário, decidiu avançar com um profundo projeto de reabilitação das suas infraestruturas, aumenta da capacidade e melhoria da qualidade dos serviços que presta.

 

E quis o destino que as obras arrancassem às portas de mais uma pandemia mundial. "Começaram a 3 de fevereiro, prevendo-se que estejam concluídas em finais de maio do próximo ano", revelou ao Negócios fonte oficial da Ordem da Trindade.

 

Em causa está a reabilitação de todo o quarteirão rectangular que a instituição ocupa, situado entre o edifício da Câmara do Porto e a estação de metro da Trindade.

 

"O objetivo do projeto visa reabilitar o conjunto edificado da Ordem da Trindade, com uma particular atenção na remodelação profunda do hospital, dotando-o de melhores condições estruturais e meios técnicos de vanguarda, que permitam aumentar a qualidade dos serviços prestados e a capacidade de resposta aos cidadãos", detalhou a mesma responsável.

 

A sua unidade de cuidados continuados, "que é uma unidade de referência da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e a única inserida no concelho do Porto", verá aumentada a sua capacidade em mais 30 camas, "disponibilizando aos portuenses uma inovadora Unidade de Cuidados de Convalescença", a alocar nos pisos 5, 6 e 7 da ala Norte, voltada para a estação do metro da Trindade.

 

Arte sacra com 265 anos de história e soluções digitais no futuro museu

 

A Igreja da Trindade, que integra o quarteirão da instituição, também sofrerá obras de beneficiação e de consolidação estrutural "e integrará, juntamente com um percurso museológico a definir e a construir, o futuro Museu da Igreja da Trindade", revelou a mesma fonte ao Negócios.

 

"Será um espaço cultural relevante para a cidade e para os cidadãos em geral, com utilização de soluções tecnológicas digitais, mas que também incluirá o extraordinário acervo de arte sacra com 265 anos de história", realçou.

 

De resto, sintetizou, "serão ainda recuperadas todas as coberturas e panos das fachadas, mas também uma intervenção impactante na reabilitação dos espaços exteriores, com uma preocupação acrescida nas questões de mobilidade e acessibilidade dos cidadãos".

 

O valor global do investimento será "superior a 10 milhões de Euros".

 

O financiamento à reabilitação foi "estruturado essencialmente a partir de uma linha do IFRRU (Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbana) negociada com o BPI com uma maturidade de 20 anos".

 

De acordo com a mesma responsável da Ordem da Trindade, trata-se de "um dos maiores projetos IFRRU em Portugal e o maior da zona Norte do país".

 

Já o financiamento do investimento em equipamento foi estruturado "a partir de uma linha JESSICA [o instrumento financeiro antecessor do IFRRU] com maturidade de seis anos".

 

Começou como "Arquiconfraria da Santíssima Trindade e Redenção dos Cativos"

 

O edificado da Ordem da Trindade é sobretudo composto pela Igreja da Trindade e o Hospital da Trindade, cuja origem se confunde com a da história da cidade, sendo ambos datam do século XIX.

 

A Ordem da Trindade garante que é proprietária da maior igreja da cidade do Porto, com capacidade para mais de 500 pessoas.

 

Encravada em todo o quarteirão edificado, abriu a 5 de junho de 1841 (ainda sem capela-mor) e foi "inaugurada ao público" em 5 de junho de 1892.

 

Já o hospital, que foi Inaugurado em 6 de Junho de 1852, integra as valências de bloco operatório, internamento, consulta externa, atendimento programado, hospital de dia, imagiologia e laboratório de Análises.

 

A instituição integra, também, uma farmácia comunitária, cuja abertura é mesmo anterior ao próprio hospital, tendo sido inaugurada em 22 de agosto de 1824.

 

Já a Unidade de Cuidados Continuados da Ordem da Trindade conta actualmente com capacidade para 45 doentes - 26 camas de cuidados de longa duração e manutenção e 19 camas de cuidados de média duração e reabilitação.

 

A instituição detém, ainda, uma estrutura residencial para idosos, que foi inaugurada em 11 de maio de 1930 e tem atualmente capacidade para 21 utentes.

 

Foi a 14 de maio de 1755 que o Papa Bento XIV assinou a bula que erigiu a Ordem da Trindade, com fins de natureza "assistencial" e de "solidariedade social", sob a denominação inicial de "Arquiconfraria da Santíssima Trindade e Redenção dos Cativos".

 

Já a sua existência legal e a denominação atual foram implementadas em 1781, com a concessão do Beneplácito Régio da rainha D. Maria I.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI