Economia Portugueses têm "prioridades trocadas" com os europeus

Portugueses têm "prioridades trocadas" com os europeus

Saúde, custo de vida e impostos são preocupações nacionais pouco alinhadas com a média europeia, enquanto os temas fortes lá fora, da imigração ao ambiente, são quase ignorados pela opinião pública portuguesa.
Portugueses têm "prioridades trocadas" com os europeus
Bruno Simão
António Larguesa 25 de fevereiro de 2019 às 14:36

A saúde e a segurança social (33%) e o aumento dos preços e do custo de vida (32%) são considerados pelos portugueses como os principais problemas do país, tendo aqui "muito maior relevância" do que aquela que é atribuída pelos europeus, com apenas um em cada cinco a referir estes dois aspetos. Os impostos são outro fator em que a preocupação portuguesa (17%) duplica a média europeia.

 

Por outro lado, os dados recolhidos no último Eurobarómetro mostram que alguns dos temas que mais inquietam os povos europeus, como imigração, crime, terrorismo, ambiente, clima ou energia, são quase ignorados pelos portugueses. O caso dos imigrantes é o mais paradigmático: em Portugal é citado por 3% dos inquiridos, enquanto no Velho Continente chega aos 21% e apenas é superado pelo problema do desemprego.

 

Se, há dois anos, no estudo referente ao outono de 2016, este era um aspeto referido por 58% dos portugueses, a falta de emprego é agora referida por pouco mais de um quarto dos inquiridos (27%). "Este facto distingue Portugal de outras democracias do sul da Europa, como Espanha, Itália e Grécia, em que cerca de metade sublinha a importância do desemprego, colocando-o em primeiro lugar no ranking dos problemas mais frequentemente mencionados", lê-se no relatório nacional divulgado esta segunda-feira, 25 de fevereiro.

 

A situação económica do país parece ter também deixado de ser uma dor de cabeça para a opinião pública portuguesa: mencionada por um terço dos portugueses há dois anos, baixou para os 15% e está agora em linha com os parceiros europeus. Mesmo mantendo-se como os sextos menos otimistas quanto à situação financeira do agregado familiar, três em cada cinco atribuem uma avaliação positiva.

 

Na antecâmara das eleições europeias, agendadas em Portugal para 26 de maio, este estudo mostra ainda que 78% dos portugueses sentem-se cidadãos da União Europeia (vs. média de 71%), embora esse sentimento de pertença seja maior entre os homens e nas camadas populacionais mais jovens, em contraponto com as mulheres e os mais idosos. Isso faz com que a proporção de cidadãos nacionais com uma imagem positiva da organização política europeia seja dez pontos mais elevada do que a média europeia.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI