Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rússia disponível para conversações, mas quer regiões anexadas reconhecidas

Reação de Moscovo acontece um dia depois de Joe Biden ter admitido que poderá voltar à fala com Putin.

Reuters
Negócios jng@negocios.pt 02 de Dezembro de 2022 às 16:20

O Presidente russo, Vladimir Putin, estará disponível para conversações sobre a guerra iniciada há nove meses com a invasão da Ucrânia por Moscovo, mas não sem condições. A Rússia exige o reconhecimento de regiões anexadas como parte do seu território.

 

"O Presidente da Federação Russa tem sempre estado, está e permanece aberto a negociações de modo a garantir os nossos interesses", comunicou nesta sexta-feira o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov (na foto), escreve a Reuters.

 

As declarações são feitas um dia depois de o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ter indicado que retomará o contacto com Vladimir Putin "se de facto houver interesse em que este decida que está à procura de uma forma de terminar a guerra", isto após uma reunião com o Presidente francês, Emmanuel Macron, em Washington. 

 

Os contactos diretos entre os presidentes russo e norte-americano encontram-se interrompidos desde a invasão da Ucrânia, a 24 de fevereiro.

 

A resposta russa às declarações de Joe Biden não surge no entanto sem exigências, com o porta-voz do Kremlin a afirmar que a recusa norte-americana em reconhecer território anexado na Ucrânia como russo prejudica que seja encontrada uma via para pôr fim à guerra.

 

Anteriormente, destaca a Reuters, as exigências de Moscovo incluíam garantias de segurança e a condição de um recuo no alargamento da NATO e leste.

 

No final de setembro, Putin declarou quatro regiões ucranianas como sendo parte da Rússia: Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson Presentemente, a Rússia mantém a maior parte do território de Lugansk, estando travada em Donetsk e a sofrer revezes em Kherson e Zaporíjia, segundo descreve a BBC.

 

A Rússia assegura não estar disposta a aceitar uma exigência de retirada da Ucrânia.

Ver comentários
Saber mais Ucrânia Rússia Vladimir Putin Moscovo Kremlin Joe Biden política diplomacia conflito armado
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio