Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fabricante alemã de tanques Leopard atinge máximos históricos em bolsa

Após a Alemanha ter anunciado que ia enviar 14 tanques Leopard para a Ucrânia, a fabricante germânica dos veículos sobe quase 2% em bolsa, atingindo máximos de sempre. Espanha alerta para o perigo de uma escalada da guerra contra a Rússia.

Radovan Stoklasa / Reuters
Diogo Mendo Fernandes diogofernandes@negocios.pt 25 de Janeiro de 2023 às 13:47
Na abertura da sessão em Frankfurt, no Dax, a fabricante alemã dos tanques Leopard, a Rheinmetall valorizou 1,89%, para 232 euros por ação. Uma subida que acontece depois de ter sido noticiado que a Alemanha vai enviar 14 tanques "Leopard 2 A6" para a Ucrânia.

Esta quarta-feira, no parlamento, o chanceler alemão, Olaf Scholz, veio sublinhar que a Alemanha está a fazer o que "é necessário e possível para apoiar a Ucrânia, mas ao mesmo tempo a evitar uma escalada do conflito rumo a uma guerra entre a Rússia e a NATO".

O responsável máximo do Executivo germânico referiu aos deputados que a decisão foi tomada em conjunto com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e confirmou que a Alemanha vai enviar 14 tanques 'Leopard 2 A6' das reservas do exército federal, bem como treinar soldados ucranianos para usarem estes veículos, além de autorizar o envio de outros "Leopard 2" detidos por exércitos de países aliados.

O chanceler reconheceu que "não há certeza matemática" de que a decisão de enviar os tanques para a Ucrânia tenha o resultado desejado, mas considerou ser uma "opção adequada", sobretudo por ser um plano "em coordenação com os Estados Unidos e a França".

De acordo como o novo ministro da defesa alemão, Boris Pistorius, os veículos podem estar operacionais na Ucrânia dentro de três meses. Entretanto, o embaixador russo na Alemanha já reagiu e referiu que a decisão é "extremamente perigosa" e leva o conflito a "um novo nível".

Também os Estados Unidos parecem estar perto de iniciar um processo para o envio de vários tanques M1 Abrams para a Ucrânia. A informação está a ser avançada pelos meios de comunicação social norte-americanos.

Dias antes, a Polónia tinha exigido o aval da Alemanha para enviar os blindados "Leopard" e ameaçou mesmo agir unilateralmente se Scholz não desse essa autorização.

Reino Unido, França e Polónia saúdam envio de tanques, Espanha alerta para escalada do conflito

O Reino Unido, França e Polónia congratularam-se hoje com a decisão de Berlim, com Espanha a alertar para o perigo de uma escalada da guerra contra a Rússia.

Em Londres, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, numa publicação na rede social Twitter, saudou a "boa decisão" da Alemanha, que vai "permitir reforçar a capacidade defensiva" da Ucrânia face à invasão russa. "É boa a decisão tomada pelos nossos aliados e amigos da NATO [Organização do Tratado do Atlântico Norte] de enviar carros de combate para a Ucrânia. Ao lado dos 'Challenger 2' [os tanques prometidos recentemente por Londres], o exército vai reforçar a capacidade defensiva da Ucrânia", sublinhou.

Em Paris, o presidente francês, Emmanuel Macron, também realçou o "longo e amplo" apoio de França à entrega de carros de combate mais ligeiros, os 'AMX10-RC'. O governo francês, porém, ainda não decidiu enviar os seus próprios tanques 'Leclerc', possibilidade que Macron não descartou.

Em Varsóvia, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, aplaudiu a decisão alemã, medida que considera como "um grande passo para travar a Rússia". "Juntos somos mais fortes", disse Morawiecki também na rede social Twitter, numa mensagem na qual agradeceu ao chanceler alemão, Olaf Scholz.

Mais moderado, o Governo espanhol, através da ministra dos direitos sociais e para a agenda 2030, Ione Belarra, considerou que o envio dos blindados "apenas contribui para uma escalada bélica", advertindo que "poderá levar a uma resposta imprevisível e muito perigosa da Rússia".

A Alemanha e respetivos aliados deverão fornecer ao exército ucraniano um total de 88 tanques. A Ucrânia congratulou-se com a decisão e pediu aos aliados ocidentais que continuem a enviar armamento pesado para as suas tropas enfrentarem a Rússia.

"O primeiro passo foi dado. A Ucrânia precisa de muitos 'Leopard'", disse Andrej Zermak, chefe do gabinete do presidente Volodymyr Zelensky, na rede social Telegram, citado pela agência espanhola EFE.

Com Lusa
Ver comentários
Saber mais Leopards Alemanha Leopard A6 Ucrânia Rheinmetall Dax Frankfurt Steffen Hebestreit Olaf Scholz política
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio