Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acordo do Brexit deverá ser adiado cerca de um mês

O acordo para o divórcio entre a União Europeia e o Reino Unido parece estar agora mais longe, a uma distância de mais um mês. Fontes próximas do processo apontam para meados de Novembro como a altura mais provável para o final das negociações. Londres admite essa possibilidade.

Donald Trump não é fã do projecto do euro, nem da União Europeia. Tem sido elogioso do Brexit e disse mesmo esperar que outros países sigam o mesmo caminho. Uma opinião partilhada pelo homem apontado na imprensa como o próximo embaixador dos EUA na União Europeia. Ted Malloch afirmou numa entrevista à BBC que o melhor investimento que se pode fazer em 2017 é 'apostar na queda do euro', antecipando o colapso da moeda única. Disse também que, depois de ter ajudado a desmembrar a União Soviética, poderá fazer o mesmo em relação à União Europeia. Malloch não foi ainda confirmado.
reuters
Negócios com Bloomberg 29 de Agosto de 2018 às 16:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O "divórcio" entre o Reino Unido e a União Europeia devia ter os termos definidos este Outubro. Contudo, o acordo final ainda não está pronto, pelo que está em cima da mesa um adiamento do prazo estabelecido até Novembro, avançam fontes próximas do processo à Bloomberg. Dominic Raab, secretário britânico encarregue da pasta da saída, confirma esta possibilidade.

"Há alguma margem" temporal para fechar o acordo apesar de o objectivo ser Outubro, afirmou Raab aos jornalistas. Até agora, o prazo estava marcado para dia 18 de Outubro, a data do Conselho Europeu. Neste cenário, restam apenas sete semanas para ultimar as conversações e definir os termos, o que fontes oficiais de ambas as partes consideram improvável de se concretizar.

O adiamento do fecho das negociações implica uma nova convocatória dos líderes europeus para Novembro. Até lá, existem dois encontros na agenda: o do dia 18 de Outubro e, ainda antes, em Setembro, uma reunião em Salzburgo, na Áustria, na qual já se esperava que fosse discutido o Brexit.

A urgência do acordo é enfatizada por outra data marcante: o dia previsto para o Reino Unido abandonar a UE, 29 de Março de 2019.  Recentemente, a primeira-ministra britânica afirmou ainda acreditar num "bom acordo", mas avançou estar a tomar todas as precauções para enfrentar o cenário oposto, o qual acredita que "não seria o fim do mundo".

Apesar das palavras suavizantes de May, já se estimam consequências na ordem das centenas de milhares de euros para os vários bancos centrais de todo o mundo. Estes podem vender mais de 100 mil milhões de libras (109,95 mil milhões de euros) caso o Reino Unido abandone a União Europeia sem um acordo comercial, optando pelo apelidado "hard Brexit". A conclusão consta de um estudo do Bank of America Merrill Lynch desta terça-feira, dia 28 de Agosto, citado pela Reuters.

Ver comentários
Saber mais União Europeia Reino Unido Bloomberg Áustria Salzburgo Conselho Europeu Brexit UE política economia negócios e finanças macroeconomia governo (sistema)
Mais lidas
Outras Notícias