Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Juiz impede acesso do Ministério Público a dados bancários, fiscais e emails do caso EDP

O juiz ordenou que as informações bancárias e fiscais do presidente da EDP António Mexia e da EDP Renováveis João Manso Neto devem ser "desentranhadas e acondicionadas num envelope até o caso transitar em julgado".

Pedro Nunes/Reuters
Lusa 24 de Maio de 2018 às 18:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

O juiz de instrução criminal Ivo Rosa considerou irregulares os pedidos do Ministério Público à Autoridade Tributária e ao Banco de Portugal sobre dados bancários e fiscais dos arguidos António Mexia e João Manso Neto, no processo EDP.

 

Na decisão, a que a agência Lusa teve acesso, Ivo Rosa, juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), considerou irregulares os despachos do Ministério Público que solicitavam tais dados à AT e ao BdP e, consequentemente, também as respostas remetidas ao processo EDP pelas duas instituições.

 

O juiz ordenou que as informações bancárias e fiscais do presidente da EDP António Mexia e da EDP Renováveis João Manso Neto devem ser "desentranhadas e acondicionadas num envelope até o caso transitar em julgado".

 

Esta decisão surgiu após requerimento da defesa dos arguidos a pedir a nulidade da intenção do MP de juntar aos autos e-mails que estivessem nos processos 'Operação Marquês" e "Caso BES", mas que poderiam ter interesse para a investigação do inquérito EDP.

 

Os procuradores solicitaram ao juiz dos processos 'Operação Marquês' e 'Caso BES' que autorizasse pesquisas nas caixas de correio eletrónico de funcionários e administradores do BES, em particular na do ex-ministro da Economia Manuel Pinho e da sua secretária Maria de Jesus Ribeiro, com recurso a determinadas palavras-chave, tais como "CMEC, custo para manutenção, sistema elétrico nacional, custos ociosos, Central Termoelétrica de Sines", entre outras.  

 

Decidiu agora o juiz que, caso venham a ser copiadas ou obtidas mensagens do correio eletrónico, não podem ser incluídas no processo EDP, dado que os visados não deram o seu consentimento, violando os procedimentos da obtenção de prova e o direito à reserva da vida privada.

 

Conclui, deste modo, que é proibida a valoração de meios de prova obtidos dessa forma por "abusiva intromissão na vida privada dos visados".

 

Para o juiz do TCIC Ivo Rosa, a decisão dos procuradores sobre a obtenção de mails dos dois administradores da Elétrica Portuguesa violou a artigo 126, nº3 do Código Processo Penal (CPP).

 

Este artigo refere que são nulas as provas obtidas mediante a intromissão na vida privada, no domicílio, na correspondência ou nas telecomunicações sem o consentimento do respetivo titular.

 

O requerimento da defesa contestava também o facto de os procuradores que investigam o processo EDP terem feito o pedido da junção de mails ao juiz da 'Operação Marquês' e do Caso BES, Carlos Alexandre, e não ao juiz do caso que tem como arguidos António Mexia e Manso Neto.

 

Ivo Rosa deliberou que só ele, na qualidade de titular do processo EDP, pode decidir sobre a relevância da correspondência electrónica dos dois arguidos para o inquérito, advertindo que, caso se verifique a selecção de correio electrónico, extraído da 'Operação Marquês' e do 'Caso BES', a decisão será nula "por violação do princípio do juiz natural".

 

O inquérito do caso EDP está no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e investiga os procedimentos relativos à introdução no sector eléctrico nacional dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC).

 

Entretanto no passado dia 18, Ivo Rosa considerou "sem efeito" a constituição como arguido de Manuel Pinho no processo da EDP, após aceitar ter existido uma irregularidade, segundo o advogado Ricardo Sá Fernandes.    
Ver comentários
Saber mais João Manso Neto presidente da EDP António Mexia Autoridade Tributária Ivo Rosa Banco de Portugal juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal
Outras Notícias