Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Crise política arrasta perspectivas para a economia brasileira

Os economistas brasileiros consultados pelo Banco do Brasil reviram as estimativas de crescimento da economia brasileira em baixa para 2016 e 2017, numa altura em que se agrava a crise política do país.

Reuters
Inês F. Alves inesalves@negocios.pt 21 de Março de 2016 às 16:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os economistas brasileiros diminuíram as suas estimativas de crescimento para a economia, prevendo uma contracção de 3,6% para este ano e um avanço de 0,44% em 2017. A inflação, pespectivam, deverá situar-se nos 7,43% em 2016.

O sentimento negativo tem vindo a agravar-se ao mesmo tempo que a crise política no Brasil se aprofunda. Há quatro semanas, a contracção estimada para este ano era de 3,40% e a perspectiva de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 2017 era de 0,50%.

No que concerne a inflação, os economistas mantiveram a estimativa para 2017 inalterada nos 6% - abaixo do tecto de 6,5% do banco central -, mas reduziram-na de 7,62% para 7,43% em 2016.

Mesmo com uma inflação acima do objectivo, é espectável que o Banco Central mantenha a taxa de juro de referência nos 14,25%, a mais alta desde 2006, escreve a Bloomberg.

Os dados integram o relatório semanal Focus, divulgado pelo Banco do Brasil.

"Melhorias na situação económica vão beneficiar a situação política, mas é uma estrada de dois sentidos: uma melhoria da situação política vai também ajudar à recuperação da economia", salientou o ministro das Finanças brasileiro, Nelson Barbosa, citado pela Bloomberg. "A incerteza política actual adia a recuperação económica", acrescentou.

Segundo a agência, os níveis de confiança dos investidores mantém-se em mínimos históricos e o mercado criou expectativas em torno de uma mudança de governo, o que impulsionou as bolsas e a moeda brasileira, o real.

Um real fraco tem ajudado o Brasil a reduzir o défice corrente, portanto, salienta Alberto Ramos, economista do Goldman Sachs, o que a maior economia da América Latina menos precisa neste momento é de uma moeda sobrevalorizada.

Na última semana o Brasil foi manchete um pouco por todo o mundo, com o caso "Lava Jato". Dilma Rousseff, Lula da Silva e Sérgio Moro foram os protagonistas.

A 16 de Março, a imprensa brasileira avançava que a Procuradoria-geral da República (PGR), dirigida por Rodrigo Janot, decidiu pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) a abertura formal de uma nova linha de investigação da conduta Lula da Silva.

A 17 de Março foi constituída uma comissão especial para analisar a destituição da Presidente Dilma Rousseff, no mesmo dia em que Lula da Silva tomou posse como ministro da Casa Civil para se proteger das investigações em curso. A bolsa brasileira disparou.

No entanto, cerca de uma hora depois do acto oficial, a posse foi suspensa por uma decisão judicial, depois indeferida pelo juiz desembargador Cândido Ribeiro, sendo que esta decisão não concedeu a Lula a possibilidade de avançar com os trabalhos no Governo.

Como resultado, os brasileiros saíram à rua, uns favor de Dilma e Lula, outros contra. Estes últimos exigem a reformulação do governo e elogiam Sérgio Moro, juiz que lidera o processo Lava Jato.

Entretanto, esta segunda-feira, ficou a saber-se que Lula começará a trabalhar como "ministro informal". Paralelamente, em Portugal, foi detido Raul Schmidt, também no âmbito do caso Lava Jato.

Ver comentários
Saber mais Produto Interno Bruto Banco Central Nelson Barbosa Brasil Lava Jato Sérgio Moro Dilma Rousseff Lula da Silva
Mais lidas
Outras Notícias