Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Trump anuncia "enormes progressos" nas negociações comerciais com Pequim

O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou que foram feitos "enormes progressos" nas negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China para chegar a um acordo que ponha termo à guerra comercial em curso.

Reuters
Negócios com Lusa 31 de Janeiro de 2019 às 23:30
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

Numa carta lida na Sala Oval da Casa Branca por um membro da delegação chinesa, o Presidente chinês, Xi Jinping, considera que as relações comerciais entre os Estados Unidos e a China estão numa etapa "fundamental".

 

"Espero que as duas partes continuem a trabalhar com respeito mútuo" e "espero que mantenhamos um contacto estreito de diferentes maneiras", acrescentou.

 

Por seu lado, Donald Trump, que classificou esta carta como "magnífica", sublinhou que as duas partes, reunidas desde quarta-feira em Washington, avançaram nas suas discussões.

 

Em seguida, virando-se para o chefe da equipa negocial norte-americana, Robert Lighthizer, anunciou que os negociadores norte-americanos se deslocarão à China "no início de fevereiro".

 

O chefe de Estado indicou ainda que não foi abordado um eventual prolongamento da trégua na guerra comercial, cujo prazo termina a 1 de março, referindo também que o encontro com Xi Jinping "ainda não foi organizado".

 

Já hoje Trump tinha escrito na rede social Twitter que iria reunir-se com o dirigente chinês "num futuro próximo" para resolver "alguns dos pontos mais difíceis" em discussão.

 

Até ao momento, sublinhava a Bloomberg esta quinta-feira, as autoridades chinesas não parecem disponíveis para corresponder às exigências de Washington, sobretudo em duas áreas-chave: as transferências "forçadas" de tecnologia de empresas dos EUA para companhias chinesas e as reformas "estruturais" na economia chinesa, designadamente os apoios estatais concedidos por Pequim às empresas nacionais e que a Casa Branca considera serem uma discriminação face ao investimento estrangeiro. 

Recorde-se que foi em inícios de dezembro, durante a cimeira do G20 na Argentina, que os dois países selaram uma trégua de 90 dias, entre 1 de dezembro e 1 de março, que suspende as taxas alfandegárias dos Estados Unidos sobre os produtos chineses e as sobretaxas impostas pela China a viaturas e peças automobilísticas fabricadas nos Estados Unidos.

 

Nessa altura, Pequim comprometeu-se ainda a voltar a comprar soja aos Estados Unidos e a apresentar um projecto de lei para proibir a transferência forçada de tecnologia.

Desde então, a China baixou as taxas alfandegárias sobre veículos importados dos EUA e recomeçou a comprar soja do país. Trump suspendeu o aumento, de 10% para 25%, nas taxas alfandegárias sobre 200.000 milhões de dólares (175.000 milhões de euros) de bens chineses.

 

Ver comentários
Saber mais Sala Oval Casa Branca Xi Jinping Donald Trump Estados Unidos Washington Robert Lighthizer China
Outras Notícias