Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banco do Japão diz que são precisas mais medidas para evitar "segunda Grande Recessão"

Na reunião realizada em 27 de abril, o conselho de política monetária do Banco do Japão (BoJ) decidiu expandir o seu programa de estímulo monetário diante de uma situação económica que descreveu como de "crescente severidade".

A política de controlo da curva de rendibilidade levada a cabo pelo Banco do Japão (BoJ) depende de taxas de juro globais suaves e de “yields” baixas – e em 2018 isso não irá funcionar. À medida que a inflação for subindo, as rendibilidades também dispararão e o resultado será um grande mergulho do iene. Em última análise, o banco central nipónico terá de recorrer a medidas de flexibilização quantitativa, mas não sem antes a nota verde escalar face à divisa japonesa, com o dólar a chegar a valer 150 ienes antes de desvalorizar rapidamente para 100 ienes.
reuters
Lusa 11 de Maio de 2020 às 07:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O Banco do Japão considera necessário adotar mais medidas económicas e melhor coordenadas para evitar uma "segunda Grande Recessão" devido ao impacto da pandemia da covid-19, segundo a ata do seu último encontro publicado hoje.

Na reunião realizada em 27 de abril, o conselho de política monetária do Banco do Japão (BoJ) decidiu expandir o seu programa de estímulo monetário diante de uma situação económica que descreveu como de "crescente severidade".

O BoJ anunciou no final da reunião que aumentaria a capacidade de comprar títulos estaduais e corporativos, entre outras medidas, e a possibilidade de tomar ações adicionais para revitalizar a terceira maior economia do mundo.

A ata publicada hoje reflete a enorme incerteza do banco central japonês em relação à evolução da economia nacional e global e indica que, em ambos os casos, "a situação aparentemente continuará séria por algum tempo".

Embora o BoJ espere que as medidas de estímulo adotadas no Japão e em escala global "comecem a dissipar o impacto da covid-19", etambém alerta para perspetivas de "extrema incerteza".

Nesse contexto, o conselho de política monetária do BoJ pede maior cooperação entre os bancos centrais e os governos das principais economias mundiais, de acordo com a ata publicada pela entidade.

"As autoridades políticas devem agir decisivamente para evitar uma segunda Grande Depressão", salientou o BoJ antes de enfatizar a necessidade de "maior cooperação" entre as medidas aplicadas pelos governos e autoridades monetárias.

O banco central japonês também destacou que sua prioridade na atual fase de contração da procura e da atividade industrial é "apoiar o financiamento das empresas para que estas possam manter os negócios e os funcionários", e apontou para a possibilidade de tomar medidas que ofereçam liquidez ao setor privado.

Para além das mais recentes decisões do BoJ, o Governo liderado por Shinzo Abe criou um pacote económico de emergência sem precedentes que inclui o prestação de ajuda direta a cidadãos e empresas.

As previsões publicadas pelo BoJ na sua última reunião mensal indicam que o Produto Interno Bruto do Japão vai contrair entre 3 e 5% em termos reais no atual ano fiscal, que começou a 01 de abril e termina no final de março de 2021.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias France-Presse (AFP), a pandemia de covid-19 já provocou mais de 280 mil mortos e infetou mais de quatro milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,3 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, capital da província de Hubei, no centro da China.
Ver comentários
Saber mais BoJ Japão Grande Recessão Banco do Japão
Mais lidas
Outras Notícias