Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marcelo manda fazer auditoria às contas de Belém - DN

O objectivo é controlar os ajustes directos, que até final do ano passado não eram divulgados e cuja despesa terá aumentado 24% em quatro anos. A iniciativa, que visa a secretaria-geral, estará a causar algum nervosismo.

Na quinta-feira, Marcelo teve um dia preenchido que começou com um almoço com Cavaco Silva, a quem vai suceder. O repasto teve lugar no palácio de Belém, que passará a ser a sua residência oficial.
Bruno Simão
Negócios jng@negocios.pt 21 de Junho de 2016 às 08:41
  • Assine já 1€/1 mês
  • 28
  • ...

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mandou fazer uma auditoria interna às contas de Belém. A notícia é avançada pelo DN, que revela que já foram detectadas irregularidades e inconsistências e que a iniciativa, que visa a secretaria-geral, estará a gerar algum nervosismo.

"Não se trata de querer corrigir nada em relação ao que vem de trás, mas simplesmente reduzir a despesa de forma criteriosa, reduzindo os gastos ao essencial, tendo em conta a situação do país", declarou ao DN fonte oficial da Presidência.

O Orçamento já aprovado, preparado no anterior mandato, é de 16,4 milhões de euros, o quarto maior em dez anos. As despesas com pessoal diminuíram entre 2011 e 2015 (de 12,3 milhões para 10,3 milhões) mas a aquisição de serviços aumentou de 3,7 milhões para 4,6 milhões. E são estas as despesas visadas pela auditoria.

O alvo desta operação é a secretaria-geral, a estrutura responsável por assegurar o funcionamento dos serviços administrativos, pela gestão de pessoal e pelo orçamento. O objectivo, segundo o DN, é elaborar um relatório detalhado, que o jornal afirma que está a deixar o secretário-geral nervoso.

Compras feitas por ajuste directo e sem divulgação

Ao longo de anos, a Presidência da República comprou tudo por ajuste directo e sem divulgação dos gastos, tal como o Negócios noticiou em Janeiro. Numa auditoria do Tribunal de Contas, concluída em Setembro do ano passado, a Presidência da República justificou o recurso a este procedimento "por motivos relacionados com a segurança". Belém recorre frequentemente a um mesmo "conjunto de empresas".

Notando que a justificação revela um "contra-senso", os auditores consideraram, na altura, ser "da maior importância" atender à "ponderação entre as dimensões de segurança e transparência" e recomendaram que a Presidência adoptasse como "princípio-regra" a "publicitação dos dados dos contratos públicos" e que "só excepcionalmente" restringisse essa informação.


Contactada pelo Negócios, em Janeiro, a Presidência da República prometeu começar a publicitar os contratos públicos, mas apenas os que foram firmados a partir deste ano. Em Maio, tinham já sido publicados seis contratos no portal Base.

Ver comentários
Saber mais Marcelo Rebelo de Sousa Presidente da República Cavaco Silva ajuste directo
Mais lidas
Outras Notícias