Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Instituto do Porto em projeto para avaliar e acelerar o desenvolvimento de vacinas

Apoiado em mais de 33 milhões de euros pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores, o projeto Inno4Vac, que visa avaliar e acelerar o desenvolvimento de novas vacinas, integra o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC).

EPA
Lusa 18 de Setembro de 2021 às 10:36
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) integra um projeto que, apoiado em mais de 33 milhões de euros pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores, visa avaliar e acelerar o desenvolvimento de novas vacinas.

 

Em comunicado, o instituto do Porto afirma hoje que o projeto, intitulado Inno4Vac, é uma parceria público-privada "inovadora" que visa promover a inovação em saúde para o desenvolvimento de vacinas.

 

Apoiado em mais de 33 milhões de euros pela Iniciativa de Medicamentos Inovadores (IMI2), o projeto visa o desenvolvimento de modelos biológicos e matemáticos para "avaliar o desempenho e acelerar o desenvolvimento de novas vacinas".

 

A parceria, coordenada pela European Vaccine Initiative (Alemanha) com o apoio da Sclavo Vaccines Association (Itália), engloba 41 parceiros de 11 países europeus, incluindo 37 instituições académicas e pequenas e médias empresas.

 

Em Portugal, além do INESC TEC, integra este projeto, apoiado também pelo programa-quadro Horizonte 2020, a NOVA School of Science and Technology (FCT NOVA).

 

O projeto, que arranca este mês, vai abordar quatro áreas de forma integrada, tais como, a inteligência artificial, que será usada em termos de resposta da vacina 'in silico' [simulação computacional] e da previsão da sua eficácia e o desenvolvimento de uma plataforma computacional modular para a modelagem 'in silico' de biofabricação de vacinas e testes de estabilidade.

 

A introdução de novos e inovadores modelos de infeção humana controlada para permitir a avaliação da eficácia da vacina e o desenvolvimento de novos modelos 3D humanos 'in vitro' para a previsão da proteção imunológica em segurança são outras das áreas em investigação.

 

Citado no comunicado, Artur Rocha, investigador do INESC TEC salienta que esta é "a primeira vez que Portugal participa num projeto desta iniciativa".

 

"Vamos ter a oportunidade de trabalhar com investigadores e académicos da área da biotecnologia e com a indústria, nomeadamente, grandes farmacêuticas produtoras de vacinas como a GSK, Sanofi Pasteur ou CureVac, na aplicação de novas tecnologias que podem desenvolver novas vacinas mais rapidamente e introduzi-las no mercado com um custo muito menor", afirma.

 

Já Gabriela Gomes, investigadora da FCT NOVA, esclarece que esta instituição vai "apresentar modelos matemáticos para testes e avaliação de vacinas" e o INESC TEC "implementar uma plataforma de simulação para criar e testar vacinas".

 

"Vamos transpor o conhecimento da imunogenética, desde a identificação dos antígenos e das proteínas que estes podem conter que podem inibir a atuação do vírus ou infeção numa plataforma", acrescenta.

 

O projeto, cuja duração está prevista até fevereiro de 2027, tem como parceiros industriais a GSK, Sanofi Pasteur, CureVac e Takeda.

Ver comentários
Saber mais vacinas inesc tec inno4vac fct nova horizonte 2020
Outras Notícias