Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Caldeira Cabral: “É inevitável levantar as moratórias em setembro"

O ex-ministro da Economia acredita que “haverá muitas empresas a conseguir sair das moratórias pelo próprio pé”, mas alerta que as restantes não podem ser “deixadas à sua sorte”.

André Kosters/Lusa
Negócios jng@negocios.pt 05 de Abril de 2021 às 10:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Manuel Caldeira Cabral diz que "é quase inevitável que as moratórias sejam levantadas em setembro, por isso devem criar-se instrumentos, não só dentro dos bancos, de renegociação e transição das empresas que estão a sair de moratórias".

 

O antigo ministro da Economia e atual administrador da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões dá o exemplo de "começarem a pagar só juros ou pagar os juros e uma parte do valor" e também de "instrumentos ao nível do Banco de Fomento e de fundos comunitários, de capital e de crédito mais alargado".

 

Em entrevista ao DN, a propósito do lançamento do livro "Construir uma Alternativa - A política económica da geringonça e a resposta à crise da covid-19", que será lançado esta terça-feira, 6 de abril, o professor da Universidade do Minho sublinha que "se a recuperação continuar, a vacinação estiver num ponto mais avançado e a pandemia contida, haverá muitas empresas a conseguir sair das moratórias pelo próprio pé".

 

"Não podemos é dizer que as que não conseguem serão deixadas à sua sorte. Tem de haver instrumentos, que não serão obrigatoriamente a extensão das moratórias, mas que podem passar pela renegociação com os bancos. Penso que os bancos não o devem começar a fazer em setembro, devem começar já em maio, junho, julho, olhando para a situação das empresas, para o mercado, caso a caso, e dando condições diferentes ou aconselhando a empresa a ter acesso a outros instrumentos financeiros.

Segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias era de 45,6 mil milhões de euros no final de fevereiro, o que representava uma redução ligeira de 100 milhões de euros face ao mês anterior.

Ver comentários
Saber mais Caldeira Cabral moratórias empresas Banco de Fomento fundos comunitários Universidade do Minho
Outras Notícias