Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Malásia vai exigir 7,5 mil milhões ao Goldman por escândalo de branqueamento de capitais

O Governo da Malásia rejeita os 1,8 mil milhões que o Goldman Sachs tem reservados para enfrentar as acções legais decorrentes do esquema de branqueamento de capitais com o fundo 1MDB, e põe a fasquia nos 7,5 mil milhões de dólares.

Bloomberg
Negócios jng@negocios.pt 21 de Dezembro de 2018 às 10:47
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O ministro das finanças malaico pretende ser compensado pelo Goldman Sachs com a quantia de 7,5 mil milhões de dólares (6,6 mil milhões de euros), na sequência de um esquema de lavagem de dinheiro no qual o banco terá colaborado com o fundo 1MDB, avança o Financial Times.

Esta semana, os promotores malaicos apresentaram queixa formal contra o banco, apontando o papel de subscritor em três vendas de obrigações que levantaram 6,5 mil milhões de dólares para o 1Malaysia Development Berhad (1MDB).

"Não estamos apenas à procura do valor das taxas e do volume [das obrigações]. Estamos a apontar para uma soma muito maior", disse Lim Guan Eng, o ministro das Finanças da Malásia, ao Financial Times.

Os 7,5 mil milhões de dólares que o Executivo malaico pretende resultam da soma do obrigações emitidas - 6,5 mil milhões que o ministro diz não terem sido desviados em vez de aplicados no país -e mil milhões para compensar os 600 mil pagos em taxas que o Governo considera excessivas e os cupões acima da média do mercado que foram cobrados na altura.

Os responsáveis malaicos rejeitam desta forma os 1,8 mil milhões que o gigante da banca norte-americana deixou de parte para fazer frente a processos relacionados com este escândalo.

O Goldman tem negado as acusações, alegando que alguns membros do antigo Governo malaico e do fundo 1MDB mentiram ao banco acerca dos objectivos da venda de obrigações. "Os proveitos da emissão de obrigações pelo 1MDB deveriam ser angariados para benefício da Malásia; em vez disso, uma grande porção foi roubada para benefício dos membros do Governo e os respectivos associados", comentou o banco.


Antes destas acusações, já a Empresa de Investimento Internacional de Petróleo (IPIC na sigla em inglês), que era parceira do fundo 1MDB, lançou um processo em Nova Iorque, pedindo punições para o Goldman e para alguns dos funcionários, acusando a instituição de ter subornado o antigo director da IPIC, Khadem al-Qubaisi, e o CEO da subsidiária Aabar. Também Singapura tem apertado o cerco ao banco norte-americano.

Ver comentários
Saber mais Governo Goldman Sachs Executivo 1MDB Financial Times ministro das Finanças da Malásia Development Berhad Empresa de Investimento Internacional de Petróleo Lim Guan Eng Malásia IPIC Nova Iorque Khadem al-Qubaisi Aabar CEO economia negócios e finanças serviços financeiros banca
Outras Notícias