Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Novo Banco: Contrato não prevê injeções de capital devido a pandemia, diz BdP

O Banco de Portugal (BdP) esclareceu hoje que os contratos sobre a venda do Novo Banco não preveem que, em cenários adversos como uma pandemia, o Estado tenha de injetar dinheiro para manter a solidez da instituição financeira.

Ricardo Pereira/Sábado
Lusa 16 de Junho de 2020 às 20:58
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
"Os contratos não preveem qualquer mecanismo que resulte em pagamentos ou injeções de capital adicionais para o reforço de capital no caso de agravamento de circunstâncias", pode ler-se num comunicado do BdP.

"Também não haverá nenhuma alteração relativamente ao processo que, nos termos do Acordo de Capitalização Contingente, tem sido seguido desde o pagamento realizado em 2018", acrescenta o supervisor do setor financeiro.

Hoje o jornal Público refere que o contrato de venda do banco à Lone Star dá conta que "num cenário de extrema adversidade" como uma pandemia está garantida uma injeção automática do Estado para garantir a solidez da instituição, caso o acionista privado não tenha condições para resolver o problema, o que o BdP diz ser "falso".

O supervisor explica ainda a necessidade de distinguir o funcionamento do mecanismo de capitalização contingente da salvaguarda designada de "Capital Backstop", prevista na Decisão da Comissão Europeia, de outubro de 2017, que aprovou o plano de reestruturação do Novo Banco e autorizou a operação de venda à Lone Star, concluindo o processo de resolução do Banco Espírito Santo".

Essa salvaguarda, continua o BdP, resulta de um compromisso assumido por Portugal perante a Comissão Europeia, "com vista a assegurar a viabilidade do Novo Banco, mesmo num cenário adverso".

"Essa medida não está compreendida no âmbito dos contratos celebrados no quadro da venda do Novo Banco e, por conseguinte, a medida não se enquadra no âmbito de competências do Banco de Portugal, enquanto autoridade de resolução, nem do Fundo de Resolução", esclarece o supervisor.

Segundo adianta, "trata-se de uma medida a que são alheios os contratos e as suas partes e que ficou prevista apenas no plano dos compromissos assumidos pelo Estado junto da Comissão Europeia".

O Banco de Portugal afirma ainda que "a existência dessa medida é pública desde o final de 2017" e os seus termos podem ser consultados na Decisão da Comissão Europeia, bem como na Carta de Compromissos da República Portuguesa.

De acordo com a decisão, no cenário extremo de os mecanismos contratualizados não serem suficientes para garantir o cumprimento dos rácios de capital por parte do Novo Banco, "o próprio banco deverá procurar implementar medidas para repor os rácios de capital pelos seus próprios meios".

"Se a primeira via não for suficiente, o acionista privado deve ponderar providenciar o capital necessário" e "se também isso não for viável, o banco deve procurar repor os seus rácios através de uma operação de mercado", pode ler-se no comunicado.

Segundo o Banco de Portugal, "apenas em última instância, se nenhuma das opções anteriores for viável, poderá então o Estado providenciar o capital estritamente necessário para assegurar o cumprimento dos rácios de capital, nos termos indicados na Decisão da Comissão Europeia, o que nesse caso se fará através de uma capitalização ou da emissão de instrumentos de AT1, com os direitos inerentes para o Estado".

"Trata-se -- como bem se vê -- de uma hipótese de último recurso (que a própria Comissão Europeia classifica de "ultimate backstop"), ao dispor do Estado para proteger o banco num cenário extremo (que a própria Comissão Europeia classifica de improvável) e que extravasa o âmbito e o regime dos contratos de venda", reforça o supervisor.

O ministro das Finanças, João Leão, admitiu hoje no parlamento que o Estado poderia intervir no Novo Banco "enquanto acionista", excluindo a injeção de capital ao abrigo do Mecanismo de Capital Contingente, com limite de 3,9 mil milhões de euros.

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, admitiu numa entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1 que a instituição vai precisar de mais capital do que o previsto para este ano, face ao impacto da covid-19, alterando assim a estimativa que já tinha entregado ao Fundo de Resolução.

As declarações do presidente executivo do Novo Banco foram consideradas "extemporâneas" pelo ministro das Finanças.
Ver comentários
Saber mais Novo Banco BdP Lone Star Fundo de Resolução Comissão Europeia Banco de Portugal banca política
Mais lidas
Outras Notícias