Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Novo Banco quer divulgar auditoria desde que não afete sigilo bancário

António Ramalho garante que o Novo Banco "tem todo o gosto em ser escrutinado" e adianta que pretende divulgar a auditoria realizada pela Deloitte.

Rafaela Burd Relvas rafaelarelvas@negocios.pt 02 de Setembro de 2020 às 12:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
O presidente do Novo Banco assegura que a própria instituição tem interesse em divulgar a auditoria realizada pela Deloitte aos atos de gestão levados a cabo entre 2000 e 2018. Isto desde que essa divulgação não viole as regras do sigilo bancário, nem prejudique a atividade de recuperação de créditos do banco.

"Desde que a auditoria não viole o sigilo bancário, o próprio banco está a trabalhar para que a auditoria seja distribuída, sem prejudicar a nossa atividade de recuperação de crédito", afirmou António Ramalho, em conferência de imprensa a decorrer esta quarta-feira, 2 de setembro. "O banco tem todo o gosto de ser escrutinado. Pedi sempre que fossem divulgados todos os relatórios e acordos existentes", acrescentou.

O presidente do Novo Banco alinha-se, assim, com aquela que já era a posição da Assembleia da República. Depois de ter recebido a auditoria realizada pela Deloitte, o presidente da comissão parlamentar de orçamento e finanças, o socialista Filipe Neto Brandão, afirmou que determinou aos serviços jurídicos do Parlamento que identifiquem as partes protegidas por sigilo bancário - ou outro elemento que justifique confidencialidade - para que o resto do relatório seja divulgado publicamente.

Na prática, a auditoria será divulgada sem que sejam dados a conhecer os grandes devedores do Novo Banco. A instituição defende esta solução, também, para que seja possível obter melhores resultados nas operações de recuperação de créditos.

A auditoria da Deloitte, realizada no âmbito da lei da transparência da banca, em vigor desde o ano passado, analisou os atos de gestão no Novo Banco entre 2000 e 2018, um período que abrange, sobretudo, a liderança de Ricardo Salgado, mas que chega também a Vítor Bento, Eduardo Stock da Cunha e António Ramalho.

A consultora analisou 201 operações de crédito, 26 operações relacionadas com subsidiárias e outras empresas associadas e 56 operações com outros ativos, como títulos e imóveis. E concluiu que a gestão destas operações levou a perdas de 4.042 milhões de euros no Novo Banco, com origem, sobretudo, no Banco Espírito Santo (BES).

Notícia atualizada pela última vez às 12h37 com mais informação.
Ver comentários
Saber mais novo banco auditoria deloitte antónio ramalho
Mais lidas
Outras Notícias