Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Revolut alvo de ataque informático. Dados de milhares de clientes expostos

Fintech britânica foi alvo de um ataque malicioso identificado na primeira metade do mês. Hackers terão conseguido aceder a parcelas de pagamento de cartões, juntamente com nomes, moradas, emails e números de telefone de vários clientes.

Marta Velho martavelho@negocios.pt 20 de Setembro de 2022 às 14:58
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
A fintech britânica Revolut foi alvo de um ataque informático em larga escala. A informação foi confirmada ao TechCrunch pelo porta-voz da empresa, que adiantou que a situação foi identificada a 10 de setembro e resolvida na manhã do dia seguinte.

Uma "terceira parte não autorizada obteve acesso aos detalhes de uma pequena percentagem (0,16%) dos nossos clientes por um curto período de tempo", indica Michael Bodansky.

"Identificámos e isolámos imediatamente o ataque para limitar efetivamente o seu impacto e entrámos em contacto com os clientes afetados", explicou o responsável, adiantando que "clientes que não receberam um e-mail não foram impactados."

Estima-se que o ataque tenha exposto dos dados de cerca de 50 mil clientes da Revolut, de acordo com a comunicação da fintech às autoridades da Lituânia, país onde está sediada. O número incluirá 20.687 clientes da União Europeia e 379 cidadãos lituanos.

Na comunicação enviada aos clientes, a Revolut indica que "não houve acesso a nenhum detalhe de cartão, PIN ou senha". No entanto, os "hackers" poderão ter conseguido aceder a parcelas de pagamento de cartões, juntamente com nomes, moradas, emails e números de telefone dos clientes.

"O setor financeiro e bancário tem sido sempre um alvo constante para os hackers", explica por email Rui Duro, Country Manager em Portugal da Check Point Software, que adianta que o ataque à Revolut terá sido de engenharia social, tal como o ataque realizado à Uber na semana passada.

"As pessoas do sector bancário trabalham quase exclusivamente com fundos, credenciais pessoais e outros dados sensíveis de clientes, todos eles com um valor tremendo para um criminoso que poderia reter esta informação para resgate, utilizá-la para redirecionar pagamentos, ou simplesmente vendê-la ao maior licitador na Darknet", explica.

"As instituições financeiras precisam de mudar para uma estratégia de prevenção e estar atentas a soluções de arquitetura mais abrangentes e que proporcionem visibilidade e visão em tempo real, em vez de se concentrarem puramente em estratégias corretivas", disse ainda. 
Ver comentários
Saber mais Revolut economia negócios e finanças serviços financeiros tecnologias de informação banca
Outras Notícias