Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rendas baixaram quase 10% em Lisboa durante a pandemia e 5% no resto do país

Os preços de arrendamento de casas sofreram uma queda de quase dois dígitos na capital, sendo que a média da descida em todo o país foi de 5%, de acordo com o Idealista.

Em ano de pandemia, o investimento em habitação na capital caiu 13,5%. A queda é explicada, sobretudo, pelo mercado nacional.
João Cortesão
Negócios jng@negocios.pt 05 de Abril de 2021 às 12:09
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...
Arrendar casa ficou mais barato durante o ano passado em Portugal, com os preços a caírem com mais força em Leiria e em Lisboa, de acordo com um estudo do Idealista.

Na capital do país, o preço do arrendamento de casas caiu 9,6% em março de 2021, face ao mesmo mês do ano passado. Contudo, é Leiria que lidera as quedas entre as capitais de distrito (-18,6%), e Braga (-9,5%) surge na terceira posição.

O preço de arrendamento desceu em 6 capitais de distrito, e aumentou em Castelo Branco e Setúbal (13% em ambas as cidades), Ponta Delgada (11,6%), Coimbra (11,2%), Viseu (7,8%), Funchal (3,9%) e Faro (1,6%).

 

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro arrendar casa, com o preço por metro quadrado a tocar nos 13,6 euros. Porto (10,6 euros) e Funchal (8,4 euros) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Castelo Branco (4,6 euros), Leiria (4,9 euros) e Viseu (5,2 euros).


Em todo o país, os custos de arrendar casa sofreram uma redução de 5,1% neste período de um ano, marcado pela pandemia da covid-19. Segundo o índice de preços do idealista, no final do mês de março deste ano, arrendar casa tinha um custo de 11 euros por metro quadrado. Já em relação à variação trimestral, a descida foi de 1,7%.

Em termos regionais, os preços das casas para arrendar desceram em toda a Área Metropolitana de Lisboa (-6,4%), no Algarve (-2,7%) e no Norte (-1,3%). Por outro lado, foi na Região Autónoma dos Açores que se assistiu a uma maior subida dos preços (19%), seguida pelo Centro (4,7%), Região Autónoma da Madeira (4,6%) e Alentejo (2,1%).

 

A Área Metropolitana de Lisboa, com 12,6 euros por metro quadrado, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Norte (9,3 euros), Algarve (9,1 euros), e Região Autónoma da Madeira (8,3 euros). Do lado oposto da tabela encontram-se o Centro (6,3 euros), o Alentejo (7,1 euros) e a Região Autónoma dos Açores (7,3 euros) que são as regiões mais baratas.

Se avaliarmos o distrito, as maiores descidas durante a pandemia tiveram lugar em Viana do Castelo (-8,8%), Lisboa (-7,2%), Braga (-6,8%), Leiria (-5,2%), Faro (-2,7%) e Porto (-2,2%). No sentido contrário, subiram em Viseu (20,8%), Ilha de São Miguel (19,5%), Vila Real (11,5%) e Coimbra (6,5%). Seguem-se na lista Santarém (4,2%), Ilha da Madeira (4%), Aveiro (3,8%), Setúbal (1,1%) e Castelo Branco (0,9%).

Ver comentários
Saber mais Lisboa Leiria Idealista Portugal Setúbal Braga Castelo Branco Coimbra Viseu Funchal Faro
Outras Notícias