Media Cobertura noticiosa das eleições em causa se Governo cortar verbas para Lusa

Cobertura noticiosa das eleições em causa se Governo cortar verbas para Lusa

Uma cobertura aquém do desejável da campanha eleitoral seria uma das consequências dos cortes orçamentais que o Governo pretende fazer na Agência Lusa, que também poderiam ameaçar "postos de trabalho de jornalistas que trabalham com a agência há anos, ainda que com vínculo precário", segundo a Comissão de Trabalhadores.
Cobertura noticiosa das eleições em causa se Governo cortar verbas para Lusa
Correio da Manhã
Lusa 04 de julho de 2019 às 20:27

A cobertura das eleições legislativas pode ficar comprometida se o Governo avançar com os cortes orçamentais que pretende na Agência Lusa, segundo um texto entregue esta quinta-feira pela Comissão de Trabalhadores (CT) da empresa a deputados socialistas.

 

Uma cobertura aquém do desejável da campanha eleitoral seria uma das consequências dos mencionados cortes, que também poderiam ameaçar "postos de trabalho de jornalistas que trabalham com a agência há anos, ainda que com vínculo precário", segundo o texto do comunicado divulgado na Agência.

 

À eventualidade daqueles cortes orçamentais, a CT acrescentou que o Estado deve à Agência 300 mil euros.

 

No seu comunicado, intitulado "Governo exige cortes na Lusa penalizando jornalismo", a CT recordou que a assembleia-geral da empresa para votação do plano de atividades e orçamento para 2019 foi "adiada pela terceira vez em 29 de maio", com nova reunião marcada para 19 de julho.

 

Ao justificar o título do comunicado, a CT escreveu: "Segundo informações a que tivemos acesso, nessa reunião [de 29 de maio], o Ministério das Finanças quis aprovar os documentos impondo fortes cortes, sendo o mais significativo de 600 mil euros em Fornecimentos e Serviços Externos (FSE)".

 

Esta rubrica, detalhou, inclui o pagamento de reportagens e outros trabalhos jornalísticos, bem como a remuneração de correspondentes e jornalistas das redes nacional e internacional da Lusa que não fazem parte do quadro da empresa.

 

A CT previu que "estes seriam os recursos a cortar, uma vez que outras despesas desta rubrica dificilmente podem ser reduzidas (p. ex. luz, limpeza, papel)".

 

Se estes cortes ocorressem, o trabalho da Lusa seria posto "em causa", "uma vez que as redes nacional e internacional são fundamentais na execução da sua missão e ficariam até final do ano gravemente amputadas para fazer trabalhos com a qualidade e quantidade que se exige".

 

A CT pormenorizou que "a cobertura das eleições que se realizam este ano (regionais na Madeira e legislativas) que dependem muito do trabalho dos jornalistas 'à peça'" ficaria em causa.

 

De forma geral, prosseguiu a CT no seu comunicado, "este corte em FSE está a provocar grande preocupação (...), uma vez que agrava a situação já frágil da agência de notícias, podendo levar mesmo ao incumprimento do contrato de serviço público (...)".

 

Por outro lado, "este problema soma-se ao facto de a Lusa já estar financeiramente asfixiada desde há anos", e que, "neste momento, o Estado deve à Lusa cerca de 300 mil euros, relativo ao valor da inflação de 2018".

 

Esta dívida foi justificada com o facto de "o contrato-programa entre o Estado e a Lusa prevê que a indemnização compensatória tem de ser transferida a cada ano, acrescida do valor da inflação do ano anterior".

 

Contudo, acusou a CT, "o Governo não tem feito essas transferências, apesar de estar obrigado a tal".

 

Para as dificuldades da Agência contribui também a conjuntura setorial: "A Lusa ressente-se ainda do estado económico-financeiro do setor da comunicação social, com clientes importantes da agência em situação difícil".

 

A CT termina o seu texto dizendo que o vai distribuir a todos os grupos parlamentares, com um alerta "para os impactos dos cortes que o Governo quer impor à agência".

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI