Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Titulares de dívida da TAP aprovam reforço da posição do Estado na companhia

Os obrigacionistas da TAP, reunidos hoje em Assembleia Geral, deram luz verde à alteração de uma das condições das obrigações, que poderá deixar de se cumprir devido ao acordo com o Estado.

9.º TAP
Negócios jng@negocios.pt 14 de Setembro de 2020 às 22:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A TAP – Transportes Aéreos Portugueses informou, em comunicado à CMVM, que foi esta segunda-feira decidido, na Assembleia Geral Ordinária de Obrigacionistas, que o Estado pode reforçar a sua presença na empresa no âmbito do empréstimo à companhia.

 

Nos termos desta deliberação, o empréstimo do Estado à TAP poderá então vir a converter-se em capital, o que se traduz num reforço da participação estatal na transportadora aérea.

 

"Sobre a renúncia pontual ao dever de manutenção da relação de grupo por domínio total entre a TAP – Transportes Aéreos Portugueses, SGPS e a Transportes Aéreos Portugueses, S.A., em resultado da potencial detenção, diretamente pelo Estado Português, de ações representativas do capital social da TAP S.A, foi deliberado aprovar a proposta apresentada pelo Conselho de Administração da TAP, a qual obteve 16.321 votos a favor (correspondentes a 96,58% dos votos emitidos), 578 votos contra (correspondentes a 3,42% dos votos emitidos) e tendo-se registado 20 abstenções", refere o documento.

 

Aquando do anúncio na CMVM sobre a realização desta AG, o grupo recordava que "no dia 17 de julho de 2020 foi formalizada a concessão, por parte do Estado Português, de um empréstimo remunerado a favor do grupo TAP, no montante de até 946 milhões de euros (ao qual poderá acrescer um montante adicional de 254 milhões de euros, sem que, contudo, o Estado Português se encontre vinculado à sua disponibilização), o qual foi autorizado como auxílio de emergência por decisão da Comissão Europeia", devido ao impacto da covid-19 na atividade da empresa.

A TAP salientou depois que, no âmbito deste empréstimo, "o Estado Português poderá converter, no todo ou em parte, uma ou mais vezes, o crédito utilizado em ações representativas do capital social da Transportes Aéreos Portugueses, S.A" e que "para garantia do cumprimento das obrigações resultantes do empréstimo foi concedido um penhor financeiro sobre a totalidade das ações representativas do capital social" da TAP S.A..

Assim, "verificando-se a conversão do crédito utilizado no âmbito do empréstimo em ações representativas do capital social da sociedade ou a execução do penhor sobre as mesmas, cessará a relação de grupo por domínio total entre a sociedade e o acionista único", justificava a TAP.

No passado dia 4, a TAP comunicou, junto da CMVM, que já recebeu um montante total agregado de 499 milhões de euros ao abrigo do contrato de financiamento.

 

No que diz respeito à deliberação sobre a nomeação de um representante comum dos obrigacionistas, que era outro dos pontos da ordem de trabalhos da reunião magna de hoje, o mesmo não foi objeto de deliberação, já que ficou sem efeito por não tendo sido apresentada qualquer proposta relativa a este ponto no prazo de 5 dias contados a partir da data da publicação da convocatória da AG, refere.

Ver comentários
Saber mais Assembleia Geral Ordinária de Obrigacionistas Conselho de Administração da TAP aviação política transportes dívida
Mais lidas
Outras Notícias