Transportes Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo

Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo

A Comissão Europeia anunciou o projecto para um comboio de alta velocidade entre Évora, em Portugal, e Mérida, em Espanha. O ministro do Planeamento e Infraestruturas avança que para já só está a ser construída uma ferrovia de mercadorias.
Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo
Bruno Simão
Negócios com Lusa 26 de abril de 2018 às 11:19
A Comissão Europeia deverá divulgar esta quinta-feira, 26 de Abril, através da rede social Twitter, a decisão de avançar com o comboio de alta velocidade entre Évora, em Portugal, e Mérida, em Espanha, segundo fonte comunitária. O ministro do Planeamento e Infraestruturas diz que a "linha que está em implementação agora é a ferrovia de mercadorias", uma linha de "alto desempenho" mas não de alta velocidade.

À margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, fonte europeia explicou, num encontro com jornalistas, que a informação surge depois de uma reunião entre a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc, e os ministros de Portugal, Espanha e França.

Posteriormente, o  ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, garantiu que o "projecto inicialmente pensado teria três linhas, duas delas estariam dedicadas à alta velocidade de passageiros e uma à ferrovia de mercadorias", mas a "linha que está em implementação agora, desse projecto maior, é a ferrovia de mercadorias".

"É uma linha evidentemente de alto desempenho, que tornará o país como competitivo, nomeadamente os nossos portos na ligação a Espanha e na ligação europeia e é uma linha muito importante e muito prioritária para o país e absolutamente consensual no nosso país", acrescentou o ministro, à margem da margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, a decorrer na capital da Eslovénia, Liubliana.

Em 2012, a hipótese de uma linha de alta-velocidade foi adiada por um período de 30 a 50 anos. Segundo fonte oficial do Ministério do Planeamento e Infraestruturas explicou ao Negócios, o traçado que está a ser construído não é compatível com a passagem de um TGV. A confusão em relação às declarações da fonte comunitária, justifica a mesma fonte, deve-se ao facto do projecto para construção de um corredor transeuropeu abarcar tanto linhas de alta-velocidade como linhas convencionais.


A comissária Violeta Bulc tinha revelado o compromisso assumido esta manhã por Lisboa e de Madrid em resolverem a questão dos 'missing links' (elos de ligação nas vias ferroviárias). Fonte comunitária precisou que Bruxelas anunciará ainda esta quinta-feira os passos e as fases do calendário para a ligação em comboio de alta velocidade entre Évora e Mérida.

Depois da presença da comissária Bulc em Portugal, para o lançamento do concurso para a ligação ferroviária entre Elvas e Caia, a Comissão Europeia tomou uma das medidas que consta da restrita lista das denominadas 'implementing decision', que "claramente estabelece como o projecto vai ser implementado nos próximos anos".

Em conferência de imprensa, a comissária tinha revelado ter saído de uma "reunião importante e especial com os ministros dos Transportes de França, Espanha e Portugal, que concordaram em avançar com os elos em falta [missing links] dos corredores e que, em especial, os corredores de mercadorias vão servir não apenas os países, mas as necessidades da União Europeia (UE)".

Questionada sobre mais pormenores, a responsável lembrou a sua recente deslocação e referiu o acordo entre os países ibéricos, assumindo que a "questão transfronteiriça iria ser resolvida".

"Os ministros informaram que os trabalhos decorrem como previsto e que os elos em falta serão instalados. O que foram realmente boas notícias, especialmente depois de um período tão curto de tempo. Realmente importa quando os decisores se comprometem e os serviços podem agir", concluiu.

(Notícia actualizada às 12:30 com o desmentido do Governo sobre tratar-se de um comboio de alta velocidade e às 12:56 com a explicação dada pelo Ministério ao Negócios)



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Aqui o que interessa esclarecer para vermos é se a linha férrea é de bitola europeia ou ibérica. Se for a primeira estará ligada à rede de alta velocidade espanhola e restante Europa, isto porque a bitola destas é europeia. Se a bitola for ibérica estará apenas ligada à rede ferroviária espanhola.

Ingredientes para fazer um político. Há 3 semanas

Uma enguia escorregadia um tubarão guloso uma cobra venenosa uma avestruz com a cabeça na areia uma hiena com riso parvo um papagaio que fala sem dizer nada um macaco que muda de galho à procura da melhor banana e um burro teimoso. Junte numa caldeira, não para não estragar e deite para o lixo.

Lopes Há 3 semanas

Haverá no mundo países mais estúpidos que os ibéricos? Até os porcos são melhores que os humanos, aqui. Os governantes fazem das pessoas, "palhaços". Fazem o que querem e ninguém levanta o pio. Gastam o dinheiro como querem e ainda lhes devemos agradecer porque sem eles não haveria liberdade. F-se!

JCG Há 3 semanas

Parece uma ideia estapafúrdica! è que não liga Évora a nada: liga Évora à Espanha. Pois creio que do lado de lá já existe ou está em construção uma linha até (suponho) Badajoz. Em vez de Évora, do lado de cá, pelo menos Pinhal Novo que é atualmente um nó de ligações ferroviárias importante

ver mais comentários
pub