Transportes Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo

Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo

A Comissão Europeia anunciou o projecto para um comboio de alta velocidade entre Évora, em Portugal, e Mérida, em Espanha. O ministro do Planeamento e Infraestruturas avança que para já só está a ser construída uma ferrovia de mercadorias.
Ligação entre Évora a Mérida é uma ferrovia de mercadorias, esclarece Governo
Bruno Simão
Negócios com Lusa 26 de abril de 2018 às 11:19
A Comissão Europeia deverá divulgar esta quinta-feira, 26 de Abril, através da rede social Twitter, a decisão de avançar com o comboio de alta velocidade entre Évora, em Portugal, e Mérida, em Espanha, segundo fonte comunitária. O ministro do Planeamento e Infraestruturas diz que a "linha que está em implementação agora é a ferrovia de mercadorias", uma linha de "alto desempenho" mas não de alta velocidade.

À margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, fonte europeia explicou, num encontro com jornalistas, que a informação surge depois de uma reunião entre a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc, e os ministros de Portugal, Espanha e França.

Posteriormente, o  ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, garantiu que o "projecto inicialmente pensado teria três linhas, duas delas estariam dedicadas à alta velocidade de passageiros e uma à ferrovia de mercadorias", mas a "linha que está em implementação agora, desse projecto maior, é a ferrovia de mercadorias".

"É uma linha evidentemente de alto desempenho, que tornará o país como competitivo, nomeadamente os nossos portos na ligação a Espanha e na ligação europeia e é uma linha muito importante e muito prioritária para o país e absolutamente consensual no nosso país", acrescentou o ministro, à margem da margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, a decorrer na capital da Eslovénia, Liubliana.

Em 2012, a hipótese de uma linha de alta-velocidade foi adiada por um período de 30 a 50 anos. Segundo fonte oficial do Ministério do Planeamento e Infraestruturas explicou ao Negócios, o traçado que está a ser construído não é compatível com a passagem de um TGV. A confusão em relação às declarações da fonte comunitária, justifica a mesma fonte, deve-se ao facto do projecto para construção de um corredor transeuropeu abarcar tanto linhas de alta-velocidade como linhas convencionais.


A comissária Violeta Bulc tinha revelado o compromisso assumido esta manhã por Lisboa e de Madrid em resolverem a questão dos 'missing links' (elos de ligação nas vias ferroviárias). Fonte comunitária precisou que Bruxelas anunciará ainda esta quinta-feira os passos e as fases do calendário para a ligação em comboio de alta velocidade entre Évora e Mérida.

Depois da presença da comissária Bulc em Portugal, para o lançamento do concurso para a ligação ferroviária entre Elvas e Caia, a Comissão Europeia tomou uma das medidas que consta da restrita lista das denominadas 'implementing decision', que "claramente estabelece como o projecto vai ser implementado nos próximos anos".

Em conferência de imprensa, a comissária tinha revelado ter saído de uma "reunião importante e especial com os ministros dos Transportes de França, Espanha e Portugal, que concordaram em avançar com os elos em falta [missing links] dos corredores e que, em especial, os corredores de mercadorias vão servir não apenas os países, mas as necessidades da União Europeia (UE)".

Questionada sobre mais pormenores, a responsável lembrou a sua recente deslocação e referiu o acordo entre os países ibéricos, assumindo que a "questão transfronteiriça iria ser resolvida".

"Os ministros informaram que os trabalhos decorrem como previsto e que os elos em falta serão instalados. O que foram realmente boas notícias, especialmente depois de um período tão curto de tempo. Realmente importa quando os decisores se comprometem e os serviços podem agir", concluiu.

(Notícia actualizada às 12:30 com o desmentido do Governo sobre tratar-se de um comboio de alta velocidade e às 12:56 com a explicação dada pelo Ministério ao Negócios)



pub