Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCP desce 23% desde a fusão de acções e renova mínimo abaixo de 1,04 euros

O BCP fechou a sessão de hoje no valor mais baixo de sempre: 1,04 euros. A meio do dia, contudo, já tinha atingido uma cotação inferior: 1,0381 euros. Há dois dias que o banco tem vindo a recuar em bolsa.

Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 28 de Dezembro de 2016 às 17:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

O Banco Comercial Português voltou a tocar em valores nunca antes registados esta quarta-feira. Foi o segundo dia seguido com uma desvalorização superior a 2%.

 

As acções do banco sob o comando de Nuno Amado (na foto) recuaram 2,37% para 1,04 euros numa sessão em que foram transaccionados mais de 4 milhões de títulos. Um volume em linha com o verificado ontem e acima da média diária do último semestre, que foi de 3 milhões.

 

A tendência das últimas duas sessões, que se segue a duas semanas com saldo negativo, atirou o BCP para um mínimo histórico. O valor mais baixo alguma vez tocado pelo banco a meio de uma sessão foi registado hoje - de 1,0381 euros - sendo que, no fecho do dia, a cotação de 1,04 euros também corresponde a um novo mínimo de fecho.

 

Estes valores estão ajustados da fusão de acções que teve efeitos a 24 de Outubro (quando diminuiu o número de acções representativas do capital do BCP com o proporcional aumento da cotação). Aliás, desde essa operação, que pretendeu retirar o banco da cotação de cêntimos e o atirou para cotações superiores a 1,30 euros, o BCP perde 23% do valor. 

 

Na Europa, o dia foi misto na banca, que tem sido penalizada pelas incertezas em torno do resgate do italiano Monte dei Paschi (com o Governo italiano a garantir que o plano em cima da mesa é suficiente). Em Portugal, apesar da queda do BCP, o resto do sector bancário manteve-se hoje inalterado. O Montepio ficou com as suas unidades de participação em 0,42 cêntimos, também um mínimo histórico. O BPI não saiu da cotação de 1,127 euros em que tinha encerrado o dia de ontem, ainda sem novidades na oferta pública de aquisição lançada pelo CaixaBank a 1,134 euros.

 

Na terça-feira foi revelado que os bancos vão enfrentar, no próximo ano, maiores encargos nas contribuições que fazem para o Fundo de Resolução e para o Fundo de Garantia de Depósitos. O Banco de Portugal também determinou que serão impostos limites na exposição que as instituições financeiras podem ter face ao chamado sistema bancário paralelo.

 

Na semana passada, o BCP já tinha sentido turbulência devido à notícia que dava conta da intenção do Governo polaco em aumentar o imposto sobre os empréstimos hipotecários concedidos em moeda estrangeira. O banco português detém 50,1% do polaco Bank Millennium, um dos mais afectados pela decisão que pretendia promover a conversão dos créditos concedidos em francos suíços para zlotys. 


Histórico da evolução do BCP, com cotações ajustadas das operações de mercado































(Notícia corrigida às 17:15: a fusão foi em Outubro, e não em Janeiro, como estava erradamente)



Ver comentários
Saber mais BCP Banco Comercial Português Nuno Amado Fundo de Resolução Fundo de Garantia de Depósitos Banco de Portugal Millennium Bank
Mais lidas
Outras Notícias