Bolsa PSI-20 volta a subir com EDP a impulsionar

PSI-20 volta a subir com EDP a impulsionar

O índice nacional abriu em alta, alinhando-se com as principais praças europeias, no dia da primeira reunião de política monetária com Lagarde à frente do BCE.
A carregar o vídeo ...
Ana Batalha Oliveira 12 de dezembro de 2019 às 08:12
O principal índice nacional, o PSI-20, abriu a valorizar 0,11% para os 5,154,55 pontos, impulsionado por nove cotadas bo verde. Restam quatro no vermelho e cinco inalteradas.

Os investidores mostram-se otimistas um pouco por toda a Europa, num dia que volta a ser marcado pela intervenção dos bancos centrais. Depois do discurso da Reserva Federal norte-americana, proferido ontem pelo presidente Jerome Powell já depois do fecho, hoje é a vez do Banco Central Europeu. A Fed deixou os juros inalterados, depois de três cortes consecutivos, uma decisão era esperada. Deste lado do oceano, as expetativas são equivalentes - os juros não devem mexer - mas os investidores estão atentos a esta que é a primeira reunião sobre política monetária sob liderança de Christine Lagarde. O Banco Central Europeu vai também divulgar novas projeções económicas.

Com o aproximar deste domingo, o dia marcado para a imposição de novas tarifas dos Estados Unidos sobre as importações chinesas no caso de não haver entendimento até lá, os receios em relação ao conflito comercial voltam a surgir.

Em Lisboa, EDP e Navigator são as cotadas que se destacam no verde. A elétrica liderada por António Mexia valoriza 0,54% para os 3,73 euros, seguindo-se à papeleira, que sobe 0,56% para os 3,62 euros. O Société Général (SocGen) revelou esta quarta-feira, já após o fecho, que está mais otimista na EDP: elevou a recomendação atribuída à elétrica ao patamar de "comprar". A instituição colocou ainda o preço-alvo nos 4,10 euros, 10% acima da avaliação anterior.

A contrariar está a Jerónimo Martins, outro peso pesado, mas que segue a contrastar no vermelho. A retalhista perde 0,44% para os 14,70 euros. A liderar as perdas está a EDP Renováveis, que desvaloriza 0,79% para os 10 euros. A cotada também recebeu ontem o "parecer" do SocGen, que lhe baixou a recomendação de "comprar" para "manter". O preço alvo apontado são os 11 euros.

(Notícia atualizada ás 08:18)



pub

Marketing Automation certified by E-GOI