Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fundos começam a saltar do barco cripto. Mercado regressa às origens

Grandes fundos de investimento já começaram a reduzir posições ou a abandonar de todo a exposição ao mercado cripto. Esta atitude conjunta levou o mercado aos primórdios da sua história, com ativos idênticos a apresentarem preços bastante diferentes mediante a plataforma.

Bloomberg
Fábio Carvalho da Silva fabiosilva@negocios.pt 21 de Novembro de 2022 às 14:35
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...

Depois do colapso da FTX, criptoativos essencialmente idênticos estão a ser oferecidos com preços bastante divergentes, abrindo espaço para uma batalha entre plataformas. A razão de fundo prende-se com os tubarões do mercado tradicional, grandes fundos que começam a dizer "adeus" às criptomoedas, indica a Bloomberg. 

É um regresso aos primeiros tempos do setor, quando os investidores – inclusivamente Sam Bankman Fried - conseguiam negócios bastante lucrativos, ao comprar determinados produtos a um preço numa "exchange", para depois vender por outro mais elevado noutra plataforma cripto.

 

No entanto, com a entrada de grandes fundos e "players" de peso de Wall Street, as diferenças de preços para ativos idênticos acabaram por cair, tornando este método de investimento muito menos rentável.

Agora, com o colapso da FTX, os "tubarões" começam a sair deste mercado, como é o caso de "fundos grandes e obscuros" dedicados ao método do "quantitative trading" (negociação automatizada), de acordo com a agência norte-americana. Muitos destes investidores já reduziram a suas posições ou estão mesmo de saída.


Segundo um levantamento da Bloomberg, a diferença entre as taxas de financiamento para negociação de futuros sobre bitcoin entre Binance e OKEx, chegou a subir para os 101 pontos percentuais ao ano, baixando depois para 10 pontos percentuais, em comparação com o "gap" de apenas um dígito contabilizado em outubro.

Muitos dos grandes investidores, que apostaram ativos em plataformas, viram os seus investimentos bloqueados na FTX, estando a espera de ser ressarcidos. Agora, para recuperarem estes valores, tudo dependerá de um longo processo de falência.

 

Um exemplo destas perdas é o "hedge fund" Galois Capital. Em declarações ao Financial Times, o cofundador Kevin Zhou explicou que metade do capital estava preso na FTX.

Também Travis Kling, que antes de entrar no mercado cripto trabalhou para o famoso fundo Pouint72, revelou que o seu fundo Ikigai’s tinha grande parte dos seus ativos presos na FTX, Também o Wintermute conta com 55 milhões de dólares presos na FTX.

Ver comentários
Saber mais FTX economia negócios e finanças mercado e câmbios bolsa macroeconomia política economia (geral) mercado financeiro
Outras Notícias