Mercados Best lança plataforma aberta que antecipa revolução nos pagamentos

Best lança plataforma aberta que antecipa revolução nos pagamentos

A plataforma do Banco Best está aberta para o registo por parte de parceiros e outras empresas fornecedoras de serviços de pagamentos.
Best lança plataforma aberta que antecipa revolução nos pagamentos
Mariline Alves/Correio da Manhã
Patrícia Abreu 07 de novembro de 2018 às 13:47

A nova directiva dos pagamentos é uma realidade, mas a PSD 2 ainda não está em vigor no território nacional. Num movimento de antecipação, o Banco Best lançou uma solução de "open banking", com uma plataforma aberta que já permite o registo de parceiros e empresas fornecedoras de serviços de pagamentos.

Deveria ter sido transposta a 13 de Janeiro deste ano, mas a nova directiva dos pagamentos ainda aguarda a publicação em Diário da República para passar a cumprir um carácter de obrigatoriedade em Portugal. A PSD 2 traz uma verdadeira revolução nos pagamentos, obrigando os bancos a abrir a informação financeira dos seus clientes a outras entidades fornecedoras de serviços de pagamentos (TPP), desde saldos e movimentos de conta.

"O ‘open banking’ é uma antecipação da PSD2", explicou Madalena Torres. De acordo com a CEO do Banco Best, "passamos de um paradigma de banca fechada para banca aberta". E é neste novo paradigma que surge a solução criada pelo Best, que foi partilhada com os reguladores e já foi ajustada para cumprir sugestões do Banco de Portugal.

A plataforma, actualmente em produção – a fase de testes decorreu entre Maio e Outubro – , suporta todos os requisitos da nova directiva e está aberta para os parceiros que se queiram registar, nomeadamente fintech, insurtech e outros bancos, que estejam registados no sistema. A plataforma do Best tem disponíveis API (interface de programação de aplicações) de serviços como a consulta de saldos de contas à ordem e cartões de crédito, transferências, consulta de movimentos, entre outros.

Em termos de consumidor final, apenas os clientes do Best podem aderir a esta plataforma, na qual poderão autorizar várias entidades a aceder à sua informação financeira. A partir daí podem analisar todas as suas opções e aceder a um conjunto de serviços, escolhendo a forma como querem fazer um pagamento, qual o cartão ou o banco através do qual o querem realizar, sem ter que aceder a diferentes entidades.

"Não adianta resistir às tendências do mercado. Todo o nosso modelo assenta em parcerias", justifica a CEO do Best. De acordo com Madalena Torres, esta solução vem "dar maior visibilidade a esta característica de ‘open banking’ trazendo novos parceiros", o que resulta também "numa maior capacidade de atracção de novos clientes".

Esta plataforma"é uma aposta na antecipação do futuro e o futuro passa por estas plataformas abertas", adiantou António Ramalho, o "chairman" do Best, no evento de apresentação desta solução com alguns jornalistas, esta quarta-feira em Lisboa.

O Banco Best conta actualmente com 85 mil clientes, que mantêm 2.000 milhões de euros em activos sob gestão, aplicados em produtos geridos por mais de 60 gestoras de activos.




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI