Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Depois de criptomoedas, Paypal pode lançar plataforma de "trading" de ações

A empresa norte-americana de pagamentos estará a planear lançar uma aplicação para negociar ações, avança a CNBC.

Paypal entra para a 97ª posição - marca avaliada em 4,25 mil milhões de dólares
Bloomberg
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 30 de Agosto de 2021 às 18:38
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
Os clientes da empresa de serviços financeiros norte-americana PayPal poderão conseguir em breve transacionar ações de todo o mundo. Isto porque a multinacional poderá estar a ponderar criar uma plataforma exclusiva para a transação deste tipo de ativos, segundo escreve a CNBC.

O "trading" tem-se tornado uma opção de negócio para empresas de tecnologia associada a serviços bancários. A Square, rival da PayPal, oferece também serviços de criptomoedas e ações através da sua aplicação, juntando-se a uma lista de nomes como a Robinhood ou a eToro que fornecem este tipo de operação com pagamento de comissões quase nulas.

A a comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) lançou uma consulta pública sobre a gamificação das plataformas digitais de negociação de instrumentos financeiros.

A expansão da PayPal para o mundo do "trading" pode assim continuar, depois de na semana passada ter anunciado a abertura de um departamento para transacionar criptomoedas, no Reino Unido. Já o tinha feito para os clientes dos EUA, um ano antes.

O anúncio da PayPal surge numa altura em que outras corretoras de criptomoedas têm sido postas à prova pelos reguladores um pouco por todo o mundo.

O caso mais conhecido é o da Binance, a maior corretora de criptomoedas em montante de transações, cujas operações foram proibidas no Reino Unido, 
em itália, Espanha e nos Países Baixos. Mas apesar de os reguladores nestas geografias estarem a fechar a porta a esta corretora, os investidores continuam a conseguir olhar pelo buraco da fechadura.
Ver comentários
Saber mais Paypal CNBC Reino Unido economia negócios e finanças Informação sobre empresas
Outras Notícias