Mercados num minuto Abertura dos mercados: Dados da China animam bolsas e juros sobem antes de leilão

Abertura dos mercados: Dados da China animam bolsas e juros sobem antes de leilão

As bolsas europeias estão a ser animadas pelo sector dos metais, depois de ter sido divulgado que a produção industrial da China cresceu ao melhor ritmo desde o verão do ano passado. Euro, petróleo e ouro seguem pouco alterados com receios em torno da guerra comercial.
Abertura dos mercados: Dados da China animam bolsas e juros sobem antes de leilão
Reuters
Rita Faria 14 de março de 2018 às 09:17

Os mercados em números

PSI-20 sobe 0,39% para 5.447,02 pontos

Stoxx 600 ganha 0,19% para 376,22 pontos

Nikkei desvalorizou 0,87% para 21.777,29 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos avançam 1,3 pontos para 1,815%

Euro recua 0,13% para 1,2373 dólares

Petróleo em Londres cai 0,02% para 64,63 dólares o barril

 

Bolsas europeias em alta com dados da China

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta quarta-feira, 14 de Março, depois de terem interrompido ontem uma série de seis sessões consecutivas de ganhos. A animar os índices bolsistas estão os dados mais positivos do que o esperado sobre a produção industrial da China, que estão a levar o sector dos metais a ganhar mais de 1%. De acordo com os dados divulgados pelo gabinete nacional de estatística, a produção industrial da China aumentou 7,2% nos primeiros dois meses deste ano, face ao mesmo período do ano passado, o ritmo de crescimento mais rápido desde Junho de 2017.  

 

Isto apesar de a potencial guerra comercial promovida pelos Estados Unidos ter voltado a estar sob o foco dos mercados, depois de Donald Trump ter ameaçado impor tarifas sobre as importações chinesas e ter demitido o secretário de Estado Rex Tillerson, substituindo-o por Mike Pompeo, que é visto como tendo uma postura mais radical no que respeita ao comércio.

 

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 0,19% para 376,22 pontos, numa altura em que só o espanhol IBEX negoceia com sinal vermelho.

 

Em Lisboa, o PSI-20 sobe 0,39% para 5.447,02 pontos, animado sobretudo pelo BCP e Pharol. O banco liderado por Nuno Amado valoriza 0,72% para 29,31 cêntimos, enquanto a PT SGPS avança 2,07% para 24,6 cêntimos.

  

Juros portugueses sobem antes de leilão

Os juros da dívida portuguesa seguem em alta ligeira, antes de o IGCP voltar ao mercado para levantar até 1.250 milhões de euros num duplo leilão de dívida de longo prazo, com maturidades de dez e 27 anos.

 

Nesta altura, a ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos sobe 1,3 pontos para 1,815%, depois de ter atingido ontem o valor mais baixo desde 16 de Janeiro. Em Espanha, os juros no prazo de referência avançam 1,2 pontos para 1,409% enquanto em Itália sobem 0,1 pontos para 1,995%. Já na Alemanha recuam 0,4 pontos para 0,615%.

 

Euro permanece na casa dos 1,23 dólares

A moeda única europeia está em queda ligeira face à divisa dos Estados Unidos, permanecendo na casa dos 1,23 dólares. O euro continua a reflectir as perspectivas de que a política monetária do BCE vai continuar previsível, numa altura em que a inflação segue persistentemente abaixo da meta do banco central.

 

Esta quarta-feira, quase uma semana depois da reunião de política monetária, o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, irá falar numa conferência organizada pela instituição, em Frankfurt.

 

Nesta altura, o euro recua 0,13% para 1,2373 dólares.

  

Petróleo pouco alterado nos mercados internacionais

O petróleo está pouco alterado nos mercados internacionais, com os investidores a avaliarem um potencial aumento das tensões geopolíticas, depois da demissão súbita do secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, pelo presidente Donald Trump.

 

Em Londres, o Brent desce 0,02% para 64,63 dólares, enquanto em Nova Iorque, o West Texas Intermediate (WTI) valoriza 0,10% para 60,77 dólares.

 

Ouro em baixa ligeira

O metal precioso segue em baixa ligeira, com os investidores a reflectirem a perspectiva de subida dos juros nos Estados Unidos já na reunião da Fed de 20-21 de Março. A Reserva Federal aponta para três aumentos durante este ano, mas muitos analistas acreditam que essa projecção será revista em algum ponto para quatro subidas.

 

O ouro cai 0,11% para 1.325,00 dólares, enquanto a prata sobe 0,02% para 16,5940 dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

concordo que a china é ERRO grave ser usada como referência.
nem os dados são escrutinados por entidade independente.
não há GUERRA COMERCIAL.isto são palavras anti trump
trump quer equilibrar o astronómico défice comercial, herdado dos Clinton, etc. Portugal fez isso em 1977; 1983; 2012;2013.

Anónimo 14.03.2018

usarem a china como referencia para qualquer coisa e um erro estrategico. tudo ali e artificialmente sustido pelo estado. é uma pura ilusao. conseguem fazer que os outros acreditem que a china joga no mesmo campeonato e com as mesmas regras. fazem acreditar que existe um a noção de mercado, que presume concorrencia. e nao existe. nao existe sequer uma saudavel democracia. e olham-no como referencia? isto faz lembrar a historia dos activos(passivos) toxicos.

pub