Outros sites Cofina
Notícia

Clara Raposo: “O reconhecimento é o verdadeiro prémio”

Clara Raposo reflete ainda sobre os efeitos do Prémio Portugal Inspirador, considerando que para quem recebe um prémio é sempre bom, porque lhes dá mais visibilidade.

Filipe S. Fernandes 20 de Junho de 2022 às 14:30
Clara Raposo, presidente do ISEG e membro do júri do Prémio Portugal Inspirador na área de Sustentabilidade e Economia Social. Bruno Colaço
  • Partilhar artigo
  • ...
Sustentabilidade e Economia Social

"Espero que sejam empresas que verdadeiramente nos inspirem, nos deem bons exemplos de negócios que se têm transformado ao longo do tempo e que garantam que as várias componentes de sustentabilidade, que é um tema tão abrangente, estão bem cobertas e que até sirvam de exemplos para outras empresas", diz Clara Raposo, presidente do ISEG e membro do júri do Prémio Portugal Inspirador na área de Sustentabilidade e Economia Social.

Na sua opinião, esta categoria vai ter de olhar para toda a área ESG: as dimensões ambiental, social e de governança. "Vamos ter de identificar empresas que tenham tido uma marca especial de transformação durante estes últimos anos e que mereçam ser distinguidas para poderem mobilizar outras para seguirem caminhos semelhantes", considera Clara Raposo. Por sua vez, na área da inovação social trata-se de identificar as iniciativas que marcam a nossa sociedade de uma forma positiva.

Clara Raposo reflete ainda sobre os efeitos do Prémio Portugal Inspirador, considerando que para quem recebe um prémio é sempre bom, porque lhes dá mais visibilidade. A presidente do ISEG frisa que, com um prémio desta natureza, as empresas não vão sentir um efeito direto, por exemplo, no aumento dos seus negócios ou dos resultados. Mas o reconhecimento de um trabalho, "sobretudo quando é feito de forma genuína, quando a preocupação com a sustentabilidade é de facto core para a vida daquelas empresas, pode ser o seu verdadeiro prémio". "É isso que é bonito e é isso que leva a economia a transformar-se e a ser mais sustentável para o futuro de todos nós", conclui Clara Raposo.