Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
João Carlos Barradas - Jornalista 30 de Setembro de 2014 às 19:19

O paradoxo de Hong Kong

A reivindicação de liberdade de apresentação de candidaturas à chefia do executivo de Hong Kong é inaceitável para Pequim e a recusa do regime comunista em ceder aos manifestantes está em vias de provocar uma crise nas relações entre a República Popular e Taiwan.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

 

As manifestações em Hong Kong vêm na linha de anteriores movimentos de massas em 2003, contra a adopção de uma lei anti-subversão segundo o padrão comunista, e em 2012 em protesto contra a introdução de aulas obrigatórias de "educação patriótica".

 

Em ambos os casos, o executivo da Região Administrativa Especial recuou, mas, desta feita, está em causa o próprio governo central que pretende restringir as candidaturas a um máximo de dois ou três candidatos "patrióticos" nomeados por um comité de 1200 pessoas controlado por Pequim.

 

O sufrágio universal previsto na "Lei Básica" – o documento constitucional acordado entre Londres e Pequim que define a autonomia de Hong Kong até 2047 – aplicar-se-ia pela primeira vez na votação de 2017 para chefe do executivo, mas o veto do governo central prevaleceria.

 

Girassol e separatismos

 

A situação em Hong Kong (Macau não conta com movimentos cívicos significativos) fragiliza o partido governamental "Guomindang" e o presidente Ma Ying Jeou em Taiwan que enfrenta forte oposição ao acordo assinado em Junho de 2013 com a República Popular para facilitação de investimentos no sector de serviços.

 

Os protestos do movimento estudantil "Girassol" esta Primavera forçaram ao congelamento e revisão de acordos passíveis de aumentar por via económica e financeira a influência de Pequim na ilha que desde 1949 escapa ao domínio comunista.

 

Taipé e Pequim após terem reconhecido em 1992 o "status quo" da existência real de dois regimes e governos, mas aceitando por consenso a existência de uma única China una e indivisível, aceleraram as trocas comerciais, investimentos e circulação de pessoas, sendo a República Popular, incluindo Hong Kong, o principal destino dos investimentos e exportações de Taiwan e segunda fonte de importações, depois do Japão.  

 

A crise política aberta pelas manifestações em Hong Kong coincidiu com declarações do presidente Xi Jinping, num encontro com políticos taiwaneses pró-Pequim, condenando o separatismo e exaltando o princípio "um país, dois sistemas" para a reunificação da China no quadro do "sonho chinês" de renovação da grandeza pátria.

 

 "Um país, dois sistemas" aplicado a Hong Kong e Macau, e obrigando à sujeição aos ditames políticos do governo central é anátema para a maioria dos 23 milhões de habitantes de Taiwan que reclama uma identidade própria e a manutenção do sistema democrático criado na sequência das reformas do presidente Lee Teng Hui em 1988.

 

O descrédito do presidente Ma abre caminho a uma vitória nas eleições de 2016 do "Partido Democrático Progressista" – que esteve no poder entre 2000 e 2008 – corre o risco de alimentar veleidades independentistas dificilmente aceitáveis por Pequim.

 

Um país, muitas identidades

 

A par do arreigado chauvinismo e egoísmo económico (exacerbado pela escassa participação nos processos de decisão política) das sucessivas camadas de imigrantes oriundos da República Popular que se estabeleceram na colónia britânica, o pós-1997 gerou uma identidade regional e cultura política distinta dos ditames comunistas num contexto de perenes e crescentes assimetrias sociais.

 

A matriz democrática nas práticas judiciárias, a liberdade de expressão e de actividade comercial, económica e financeira contou para exacerbação da reivindicação de direitos que leva a que sensivelmente metade dos 7 milhões de habitantes de Hong Kong manifestem desconfiança ante o governo de Pequim e o princípio "um país, dois sistemas." 

 

O uso generalizado do cantonense no quotidiano, apesar das exortações oficiais de Pequim para implementação do mandarim, polémicas e confrontos pela falta de civismo dos "continentais" de visita a Hong Kong, tidos por responsáveis da alta dos preços do imobiliário, ou de mulheres que vêm dar à luz na Região Administrativa Especial, são cada vez mais frequentes. 

 

Nos protestos democráticos em Hong Kong está em causa, portanto, um chauvinismo regionalista e uma dimensão de cidadania oposta ao despotismo do Partido Comunista que converge com particularismos identitários cultivados ao longo do domínio colonial britânico. 

 

Jornalista

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias