Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
André Veríssimo - Diretor averissimo@negocios.pt 04 de Setembro de 2017 às 10:00

A impopularidade de Macron e a reforma laboral

Desafiando a quebra vertiginosa de popularidade (40% de aprovação) que o coloca como o Presidente francês mais impopular nesta fase do mandato, Emmanuel Macron decidiu avançar com a reforma da legislação laboral. Que preço pagará pela sua "revolução copérnica"?


A reforma, que terá ainda de ser aprovada, gira à volta da flexibilidade e facilitação dos despedimentos, tirando peso à negociação colectiva e logo poder aos sindicatos. Mas fica aquém da proposta inicial e do que queria o patronato.

O Le Monde faz o balanço em editorial: "Ao fim de contas, não estamos num jogo em que todos ganham, e a balança está muito desequilibrada em favor da flexibilidade para que se possa considerar um compromisso entre o patronato e os sindicatos. (...) A grande vitória do Executivo foi ter conseguido evitar a reconstituição de uma ampla frente sindical contra a sua reforma."

À esquerda, a medida é rotulada como um "golpe de estado social". Charlotte Girard, porta-voz do movimento França Insubmissa de Jun-Luc Mélenchon, diz que "da coxa de Júpiter saiu uma agressão que em nada contribuirá para lutar contra o desemprego".

Os patrões não disfarçam o contentamento. "Esta reforma é uma primeira etapa na construção de um direito do trabalho consonante com a realidade quotidiana das empresas", comentou o presidente do poderoso Medef, Pierre Gattaz. Mas não cantam ainda vitória: "O diabo está nos detalhes" do processo legislativo.

A legislação laboral francesa é uma vaca sagrada. Há já marchas de protesto nas ruas. Preocupado, Macron contratou um novo assessor de comunicação, Bruno Roger-Petit, até aqui jornalista televisivo. O director do departamento de estratégia do centro de sondagens Ifop, Jérôme Fourquet, deixa ao Le Figaro o seu conselho: "Macron soube criar um forte desejo de mudança durante a campanha, o que muito contribuiu para a sua vitória. Mas é preciso continuar a seguir esse roteiro e, pelo menos nos primeiros meses, dar prova dessa determinação." A reforma que França julgava impossível já está no papel. Do seu futuro dependerá o futuro político de Macron.
Ver comentários
Saber mais Emmanuel Macron França
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio