Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 21 de maio de 2017 às 15:31

Quem manda no mercado petrolífero?

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) é responsável por cerca de 40% da produção de crude mundial.

Uma quota de mercado que durante décadas concedeu ao cartel uma posição de controlo no mercado petrolífero. Mas, o domínio da OPEP parece estar terminado. A ascensão da indústria de petróleo de xisto nos EUA levou a organização a promover uma campanha de maior exploração da matéria-prima, de modo a afundar os preços e impedir as concorrentes norte-americanas de produzir, uma vez que os custos de exploração são mais elevados.

E esta estratégia até teve o objectivo pretendido, mas danificou as contas públicas de países que dependem das receitas do petróleo, levando o cartel a mudar mais uma vez de estratégia. Em Novembro foi fixado o acordo para cortar a produção e suportar uma recuperação das cotações. Depois de uma forte reacção inicial, que permitiu às petrolíferas nos EUA voltar a produzir, os preços voltaram à casa da partida. E agora a organização parece não ter mão na situação.

"A Arábia Saudita e a OPEP já não estão no controlo", adiantou Douglas Rachlin, da Neuberger Berman's Rachlin Group, citado pela CNN Money. Parece que as petrolíferas de xisto estão mesmo aqui para ficar.

 

Jornalista

Marketing Automation certified by E-GOI