Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

Cidades e inundações: Lisboa e Porto ameaçadas pelas alterações climáticas

Na noite de 25 para 26 novembro de 1967, centenas de pessoas morreram na Área Metropolitana de Lisboa, quando cinco horas de chuvas torrenciais transformaram ribeiras em torrentes assassinas. Mais de 50 anos depois, a realidade social é diferente e as infraestruturas estão melhores, mas continuam a existir problemas sérios de planeamento urbano e de gestão de recursos hídricos. Se a chuva voltar a cair com tanta intensidade – e os modelos meteorológicos associados às alterações climáticas falam disso –, que cenário enfrentaremos nas principais cidades portuguesas?
Luís Francisco 19 de Novembro de 2022 às 11:00

Foto em cima: Naquela noite de 25 para 26 de novembro de 1967 abriram-se as comportas do céu: Lisboa, Loures, Odivelas, Alenquer e Vila Franca de Xira foram concelhos bastante atingidos pela tragédia. O regime tentou silenciar o horror, mas as estimativas apontam para cerca de 700 mortos e danos em 20.000 habitações. Foi a pior catástrofe natural na região de Lisboa desde o terramoto de 1755.

Talvez possam parecer anacrónicas ou, pelo menos, estranhas a quem passa. Mas as depressões circulares que podemos encontrar em algumas zonas verdes da cidade de Lisboa, alagadas quando chove, não são um erro de cálculo dos arquitetos paisagísticos. Na verdade, cumprem uma missão bem específica: ajudam a cidade a responder a chuvadas intensas, segurando a água e soltando-a devagar nas horas e dias seguintes. Face ao caráter cíclico dos episódios de inundações na capital e com os modelos meteorológicos a anteciparem um aumento da frequência de chuvadas fortes, Lisboa aposta na resposta "verde", mas também na "cinzenta", de betão – a construção de dois enormes túneis de escoamento.

 

A orografia da cidade, com muitas colinas e vales encaixados onde em tempos corriam ribeiras (a Avenida da Liberdade e a Almirante Reis, por exemplo, eram cursos de água), torna a cidade muito vulnerável a cheias rápidas. Em resposta a questões enviadas por email, a Câmara Municipal de Lisboa assume que o tema está entre as suas prioridades: "A tendência que se tem vindo a registar nas últimas décadas para a subida do nível médio das águas do mar (…) e o agravamento dos fenómenos meteorológicos extremos (…) levantam dúvidas sobre o cenário futuro e lançam novos desafios que estão a ser permanentemente acompanhados ao nível dos planeamentos urbano e de emergência."

Ver comentários
Saber mais Inundações cheias Lisboa Porto chuva Avenida da Liberdade Praça de Espanha Alcântara Almirante Reis mar Tejo Douro Campolide Santa Apolónia Beato Chelas barragens metro precipitação Estado Novo Salazar Nova Iorque EUA China Londres Reino Unido Kongjian Yu
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal