Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

Jogos Olímpicos: a arena desportiva da política

Os Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, que começam a 4 de fevereiro, são uma oportunidade para a China limpar a sua imagem internacional. Mais do que ganhar medalhas, o gigante asiático precisa de recuperar a aura de grande potência, que perdeu brilho durante a pandemia. Terá, no entanto, a tarefa dificultada. Vários países anunciaram que farão um boicote diplomático. A história dos Jogos Olímpicos escreve-se com recordes desportivos e com incidentes políticos.
Filipa Lino 22 de Janeiro de 2022 às 11:00

O estádio Ninho de Pássaro voltará a ser o palco da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim no próximo dia 4 de fevereiro. Será ali que os atletas vão desfilar com as bandeiras dos seus países. Mas a China que recebe este evento desportivo não é a mesma que em 2008 foi anfitriã das Olimpíadas de Verão. Hoje é vista com desconfiança pela comunidade internacional pela forma pouco transparente como geriu a pandemia. Se há 14 anos estava em causa a afirmação do gigante asiático enquanto grande potência económica, agora, neste contexto pandémico, o regime chinês precisa de mostrar que tudo irá ser bem gerido, passar uma imagem de controlo e segurança, tanto por razões externas como internas.

Negócios Premium
Conteúdo exclusivo para assinantes
Já é assinante? Inicie a sessão
Assine e aceda sem limites, no pc e no smartphone
  • Conteúdos exclusivos com melhor da informação económica nacional e internacional;
  • Acesso sem limites, até três dispositivos diferentes, a todos os conteúdos do site e app Negócios, sem publicidade intrusiva;
  • Newsletters exclusivas;
  • Versão ePaper, do jornal no dia anterior;
  • Acesso privilegiado a eventos do Negócios;
Ver comentários
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal
Assine o Negócios e receba 40€ na FNAC. Saiba mais