Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Reino Unido alivia medidas de combate à covid-19 no Natal

Novo plano será apresentado na segunda-feira pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, e prevê uma pausa em algumas das limitações de cariz social entre 22 e 28 de dezembro.

Boris Johnson começou por desvalorizar o perigo do novo coronavírus, mas mudou de discurso depois de ter sido infetado. O residente no número 10 de Downing Street foi internado de urgência num hospital a 6 de Abril com a vida em perigo e sobreviveu graças à diligência do pessoal médico, como foi exemplo o enfermeiro português Luís Pitarma.
Neil Hall
Lusa 22 de Novembro de 2020 às 13:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O primeiro-ministro britânico vai aliviar as medidas restritivas de combate à pandemia no Natal para facilitar as reuniões familiares, numa altura em que se anuncia um reforço de três mil milhões de libras para o serviço de saúde.

O alívio das restrições foi confirmado por Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, adiantou a EFE.

Johnson deve detalhar na segunda-feira, 23 de novembro, o seu plano para voltar a instaurar um sistema de três níveis de restrições a partir de 2 de dezembro, o término das medidas de confinamento decretadas em Inglaterra a 5 de novembro.

O novo plano prevê uma pausa em algumas das limitações de cariz social entre 22 e 28 de dezembro, ainda que isso esteja pendente de um acordo para um calendário semelhante com os restantes países do Reino Unido, devendo Boris Johnson entender-se com os Governos autónomos da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, de acordo com a televisão Sky News, citada pela EFE.

O primeiro-ministro britânico, que permanece em isolamento depois de ter estado em contacto com um deputado que testou positivo para a covid-19, vai explicar como "vão poder ver os seus entes queridos no Natal", deixando claro que "esta não será uma época festiva normal", adiantou um porta-voz do executivo.

Fora do período natalício, as restrições nas regiões mais afetadas pela pandemia serão mais duras do que as que tinham sido impostas em outubro em Inglaterra.

"Os esforços de todos durante as atuais restrições a nível nacional ajudaram a ter o vírus sob controlo, diminuir a sua expansão e baixar a pressão sobre o sistema público de saúde", afirmou o porta-voz governamental, acrescentando, no entanto, que o vírus continua presente e que não aplicar restrições regionais poderia levar a um novo descontrolo da situação antes de as vacinas e os testes em massa fazerem efeito.

Entretanto, o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak, anunciou um reforço suplementar do financiamento do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) de três mil milhões de libras (3,36 mil milhões de euros) para ajudar o serviço público de saúde a ultrapassar o impacto da pandemia de covid-19, alertando para o "choque económico" que o país atravessa.

Segundo um comunicado divulgado no sábado à noite, citado pela AFP, o ministro das Finanças vai anunciar na próxima semana um financiamento de mais de três mil milhões de libras por um ano para ajudar o NHS a lutar contra o impacto do novo coronavírus.

Um terço da verba será afeta à recuperação dos atrasos em exames e cirurgias não relacionadas com a covid-19.

De acordo com o ministério, o número de pessoas que aguardavam tratamento há mais de um ano passou de 1.500 em fevereiro para 140 mil em setembro.

Ver comentários
Saber mais Reino Unido Boris Johnson covid-19 pandemia Natal
Outras Notícias