Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE admite que novos estímulos podem incluir programa de compra de dívida

O presidente do Banco Central Europeu já havia sinalizado que os estímulos às economias da Zona Euro poderiam estar de volta em breve. O vice-presidente veio agora detalhar que, entre os estímulos possíveis, está um novo programa de compra de dívida.

Reuters
Negócios jng@negocios.pt 19 de Junho de 2019 às 12:29
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Luis de Guindos, afirma que outro programa alargado de compra de dívida pública pode ser uma das ferramentas a utilizar caso a região não alcance o objetivo em termos de inflação.

"Há um amplo conjunto de instrumentos que podemos usar e o alívio quantitativo (quantitative easing) é um deles", afirmou De Guindos em entrevista à CNBC a propósito do Fórum do BCE, a realizar-se em Sintra, Portugal.

Para além deste programa de compra de dívida, o vice-presidente do BCE referiu ainda o programa de financiamento da banca europeia (TLTRO, na sigla em inglês) e o "forward guidance" como outras ferramentas à disposição.

A mensagem do vice-presidente vem reforçar o sentido das declarações do presidente, Mario Draghi, que admitiu no mesmo evento vir a aumentar os estímulos económicos, abrindo a porta a novos cortes de juros.

Esta possibilidade admitida pelo banco central pressupõe que a economia europeia não irá surpreender pela positiva. Na segunda metade de 2018, o BCE decidiu levantar alguns dos estímulos que tinha vindo a aplicar desde 2011, face à recuperação da economia da Zona Euro.

Os dados mais recentes do Eurostat, relativos a maio, detetam que a atividade económica da Zona Euro registou um melhor desempenho do que o esperado inicialmente, ainda que a melhoria tenha sido ligeira. Apesar disso, não parece haver razões para festejos: o PIB no segundo trimestre deverá crescer menos do que no primeiro trimestre.

Ver comentários
Saber mais Zona Euro Luis de Guindos Forum BCE Banco Central Europeu CNBC BCE Sintra Portugal TLTRO presidente Mario Draghi Eurostat PIB economia negócios e finanças macroeconomia mercado de dívida
Mais lidas
Outras Notícias