Economia Conselho das Ordens Nacionais abre processo disciplinar a Berardo

Conselho das Ordens Nacionais abre processo disciplinar a Berardo

A decisão foi tomada na sequência do parecer enviado pela Assembleia da República, que considerou que as declarações do empresário madeirense deveriam ser avaliadas.
Conselho das Ordens Nacionais abre processo disciplinar a Berardo
Pedro Catarino
Rafaela Burd Relvas 17 de maio de 2019 às 18:10
O Conselho das Ordens Nacionais abriu um processo disciplinar a Joe Berardo, na sequência do parecer enviado a este órgão pela Assembleia da República, que considerou as declarações do empresário madeirense na segunda comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) deveriam ser avaliadas.

A decisão foi comunicada, esta sexta-feira, 17 de maio, pela Presidência da República.

"Na sequência da audição do senhor José Berardo na II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da CGD e à Gestão do Banco, o Conselho das Ordens Nacionais recebeu um parecer do presidente da referida comissão, que constitui a posição final da Assembleia da República sobre o assunto, na qual se considera que a conduta e a natureza das declarações do senhor José Berardo nesta comissão podem ser consideradas matéria relevante para avaliação do cumprimento dos deveres legais dos membros das ordens", começa por referir o comunicado.

"Tendo em conta a posição daquele órgão de soberania, o Conselho das Ordens Nacionais emitiu parecer favorável à emissão de processo disciplinar a José Manuel Rodrigues Berardo, Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique", acrescenta.

O processo disciplinar agora levantado poderá levar a que as condecorações a Joe Berardo sejam retiradas, caso o Conselho das Ordens Nacionais, liderado por Manuela Ferreira Leite, entenda que o empresário teve um comportamento que prejudica o Estado.

Joe Berardo, que em 1985 foi agraciado com o grau de comendador e em 2004 foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante, terá agora de ser ouvido por este conselho. Depois da audição, este órgão fará a recomendação ao Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa, por seu lado, não se opõe a que as condecorações de Berardo sejam retiradas. Aliás, tal como avançou o Negócios, Belém entende que o comportamento do empresário poderá mesmo ser considerado como uma "afronta às instituições".

Em causa estão as declarações de Joe Berardo no Parlamento, na semana passada. O empresário referiu, por exemplo, que "pessoalmente" não tem dívidas à Caixa, apesar de, através de empresas controladas por si, ter contraído empréstimos de 350 milhões de euros ao banco estatal, para comprar ações do BCP, dando as próprias ações como garantia. Quando um deputado do PSD referiu que a CGD está a custar "uma pipa de massa a muita gente", a resposta também gerou polémica: "A mim não".

Notícia atualizada às 18h24 com mais informação.



pub

Marketing Automation certified by E-GOI