Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cushman & Wakefield: Investimento imobiliário caiu 30% em Portugal

O investimento no sector imobiliário caiu 30% no primeiro semestre face ao mesmo período do ano passado, revela um estudo da consultora internacional que associa este desempenho aos efeitos da crise económica.

Hugo Paula hugopaula@negocios.pt 17 de Agosto de 2011 às 13:06
  • Partilhar artigo
  • ...
Entre o início de Janeiro e o final de Junho de 2011 o montante de investimentos do mercado de investimento imobiliário saldou-se em 185 milhões de euros, o que se traduz numa quebra de 30% face ao período homólogo.

Para o sócio e director do departamento de investimento da Cushman & Wakefield em Portugal, Luís Rocha Antunes, “a situação económica do país, bem como as duras condições de financiamento, tiveram no primeiro semestre do ano um forte impacto na actividade de investimento imobiliário”.

Para Luís Rocha Antunes, os momentos de incerteza vividos no final da legislatura do último governo levaram “um conjunto importante de negócios que, no início do ano estavam muito próximos de ser fechados, a serem adiados ou mesmo cancelados com o agravar da crise da dívida”.

“Existem hoje excelentes oportunidades de compra no mercado, que serão seguramente aproveitadas por investidores que mantêm Portugal no seu radar”, acrescentou.

O investimento preferido dos fundos foi no sector do retalho seguido pelo sector residencial, que captou 34% dos investimentos, segundo o estudo divulgado pela consultora.

A baixa actividade de investimento levou a uma correcção em baixa do valor dos activos no segundo trimestre do ano, refere o comunicado divulgado pela Cushman & Wakefield.

Assim, no final de Junho de 2011 as “yields prime”, ou seja, o retorno anual que se espera de um activo totalmente arrendado, com as melhores localizações, em perfeitas condições de manutenção e com inquilinos com baixa probabilidade de incumprirem o pagamento das rendas, ascendeu a 7,25% nos centros comercias, a 7,50% para escritórios e a 9,00% na indústria.

No pico do mercado, em que o valor dos activos era mais elevado, a diferença destas “yields” situou-se entre os 175 e os 200 pontos base.
Ver comentários
Saber mais imobiliário Cushman & Wakefield habitação retalho escritório
Outras Notícias