Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Draghi lança debate em Sintra sobre crescer no pós-crise

Numa altura em que já se afinam argumentos sobre a melhores estratégias para os bancos centrais reverterem os estímulos anti-crise, o 4.º Fórum do BCE reúne em Sintra banqueiros centrais e economistas para debater o investimento, inovação e crescimento.

A quarta edição do Fórum do BCE sobre banca central conta com alguns dos principais banqueiros centrais das economias avançadas. Reuters
Rui Peres Jorge rpjorge@negocios.pt 25 de Junho de 2017 às 22:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Está a chegar o momento de deixar de pensar na crise, e de preparar o regresso à normalidade. Nas economias avançadas acredita-se que o pior já passou: o crescimento está a voltar lentamente, o emprego também, enquanto a inflação recupera, aos poucos, para o objectivo de 2% aceite pela maioria dos bancos centrais. Os bancos centrais estão, por isso, a reposicionar-se: a Reserva Federal subiu juros no final de 2016 e em 2017, o Banco de Inglaterra sinaliza que o poderá fazer este ano, e provavelmente já o teria feito não fosse o Brexit, enquanto o BCE se prepara para esclarecer a sua estratégia de normalização da política monetária depois do Verão. Entre as economias avançadas apenas o Japão, ainda a lutar com inflação próxima de zero, prevê manter o seu programa de compra de activos a todo gás.

Todos sabem que há ainda muitos problemas herdados da crise para resolver, com destaque para o elevado endividamento e desemprego e bancos ainda frágeis e, em alguns países, cheios de malparado, mas há no ar um sentimento positivo: a crise estará para trás. No entanto, se assim é, porque são tão contidos os suspiros de alívio?

A resposta encontra-se numa dúvida que pende sobre a economias avançadas: e se, daqui para a frente, devido à crise, à falta de investimento e ao desemprego, mas também por causa do envelhecimento, da pouca tracção da inovação a criar riqueza, do aumento da desigualdade e outras transformações geradas pelos avanços tecnológicos, o crescimento da produtividade e das economias for demasiado baixo para satisfazer as aspirações dos cidadãos?

Este é um risco real: as taxas médias de crescimento das economias avançadas nas últimas décadas têm vindo a cair, e o mesmo se passa com o aumento da produtividade, em particular neste século, coincidindo com a explosão da nova economia digital.

É neste contexto que o BCE reúne durante três dias alguns dos principais banqueiros centrais do mundo, vários dos economistas que têm estudado o tema, e representantes das principais instituições internacionais. A sessão começa segunda à noite, com a intervenção de Ben Bernanke, o ex-presidente da Fed, com um discurso intitulado "Quando o crescimento não é suficiente". Os trabalhos seguem terça-feira, com a apresentação de artigos e debate sobre "inovação, investimento e produtividade" e os seus impactos no crescimento e no desemprego, e na quarta-feira, último dia, os participantes debatem os ciclos económicos e a importância da política macroeconómica. Como já é habitual, os trabalhos terminam com um painel de debate de banqueiros centrais: Mark Carney (Inglaterra), Mario Draghi (BCE), Haruhiko Kuroda (Japão) e Stephen Poloz (Canadá) serão moderados por Karnit Flug, a governadora do Banco de Israel. 

Banqueiros e economistas procuram caminho para o crescimento

A quarta edição do Fórum do BCE sobre banca central conta com alguns dos principais banqueiros centrais das economias avançadas e vários dos economistas que mais têm contribuído para a investigação sobre investimento, inovação e crescimento.  A quarta edição do Fórum do BCE sobre banca central conta com alguns dos principais banqueiros centrais das economias avançadas e vários dos economistas que mais têm contribuído para a investigação sobre investimento, inovação e crescimento.  

Ben Bernanke
Ex-presidente da Fed

Liderou a Reserva Federal americana entre 2006 e 2014, tendo sucedido a Alan Greenspan, tendo  por isso estado no centro do furacão financeiro e económico dos últimos anos. Entre as suas áreas de investigação está a economia financeira internacional, sendo reconhecido como um dos especialistas na Grande Depressão do século XX, o que moldou a forma como conduziu o combate à grande recessão do início do século XXI.Hoje trabalha no think tank Brookings.  

Mark Carney
Governador, 
Banco de Inglaterra
O canadiano de 52 anos é Governador do Banco de Inglaterra desde 2013, vindo do Banco de Canadá, que  comandou desde 2008. Antes trabalhou no Ministério das Finanças e no Goldman Sachs. Entre os seus desafios está a normalização da política monetária (taxa de juro de 0,25% e um balanço com 435 mil milhões de libras em dívida pública e 10 mil milhões em dívida privada) num contexto de Brexit. A inflação em Junho foi de 2,9%.


Haruhiko Kuroda
Governador, Banco do Japão
Kuroda foi nomeado por Shinzo Abe em 2013 para implementar o braço monetário da sua política expansionista conhecida como "Abenomics". Está a comprar cerca de 445 mil milhões de euros de activos por mês, tendo aumento o balanço do banco para mais de 4 biliões de euros, em linha com o BCE e diz que vai continuar. Por enquanto os resultados são mistos: a economia cresce, mas pouco, e a  inflação em Abril foi de 0,4%.   

Karnit Flug
Governadora, Banco de Israel
Flug, de 62 anos, substitui Stanley Fischer (actual número 2 da Reserva Federal) em 2013, e é a primeira mulher a liderar o banco central israelita. O banco central mantém a taxa de juro central próxima de zero (0,1% desde o início de 2015), e garante que assim continuará até que a taxa de inflação recupere de forma sustentada para o intervalo de 1% e 3%. A inflação em Abril ficou-se pelos em 0,7%, uma recuperação face aos valores negativos registados em 2015 e 2016.  


Philippe Aghion
Professor, "Collège de France" e "LSE"
Especialista em economia do crescimento, destaca-se por, juntamente com Peter Howitt, ter desenvolvido modelização económica para a destruição criativa de Schumpeter. O seu trabalho explora como novas tecnologias substituem as antigas e qual o papel das políticas públicas nos processos de crescimento. É um dos economistas que inspira o programa económico de Emmanuel Macron em França e um apoiante do novo presidente francês.

Robert Hall
Professor, "Stanford University"
Um estudioso da economia americana, Robert Hall é professor na Universidade de Standford e preside ao Comité de Datação de Ciclos Económicos do NBER, o organismo que estabelece as datas de início e o fim das recessões nos EUA. Apresenta-se como um "economista aplicado com interesses sobre emprego,  tecnologia, concorrência e a política económica". Na conferência apresentará um artigo sobre as razões do baixo crescimento nas economias avançadas.


David Autor
Professor, "Massachusetts Institute of Technology"
É um dos economistas do trabalho mais conhecidos no meio académico internacional. O seu trabalho explora as consequências no mercado de trabalho das mudanças tecnológicas e da globalização, nomeadamente no emprego e na desigualdade, mas também na estrutural social e no desenvolvimento intectual dos jovens. Um dos seus últimos trabalhos estuda o efeito de "empresas-estrela" que conquistam grandes quotas de mercado.   

Agnès Bénassy-Quéré
Professora, "Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne"
É uma das economistas que mais se destaca no debate europeu sobre política macroeconómica e as falhas e reformas da Zona Euro. Agnés Bénassy-Quéré é especialista em economia monetária e financeira internacional, preside ao Conselho Francês de Análise Económica – que presta aconselhamento ao Presidente francês – e faz parte da Comissão Económica Nacional, um organismo de aconselhamento do ministério das Finanças francês.

Ver comentários
Saber mais BCE Fórum de Sintra banqueiros centrais Mario Draghi Ben Bernanke Constâncio
Outras Notícias