Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

ISEG baixa previsões de crescimento para Portugal devido a tensões comerciais EUA-China

O ISEG perdeu o optimismo do primeiro trimestre e reviu agora em baixa a previsão de crescimento do PIB nacional em 2018. O Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) justifica com as tensões no comércio mundial.

Bruno Simão/Negócios
Ana Batalha Oliveira anabatalha@negocios.pt 22 de Junho de 2018 às 14:06
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

"A previsão para o crescimento do PIB em 2018 foi revista em baixa", anuncia o ISEG na síntese de conjuntura de Junho. O instituto prevê que o PIB português avance entre 2,2% e 2,6% no conjunto deste ano. A perspectiva mais pessimista é justificada pelo ISEG com "os riscos negativos relacionados com o desenvolvimento das tensões no comércio mundial".

Apesar de o total do ano ser afectado pela incerteza a nível internacional, "a informação relativa ao segundo trimestre sugere, para já, que o crescimento homólogo do PIB neste trimestre possa superar o registado no primeiro trimestre", avança o instituto, numa nota mais positiva.

A evolução mais positiva do segundo trimestre tem em conta que os níveis de confiança voltaram a melhorar depois de um recuo no início do ano. Em Maio, o indicador de Clima Económico do Instituto Nacional de Estatística voltou a subir e atingiu um novo máximo.

Ainda no segundo trimestre, espera-se "um menor crescimento do Consumo Privado, um maior crescimento do Investimento e um contributo menos negativo da Procura Externa Líquida".

Nos primeiros três meses do ano, os economistas do ISEG apontavam para um crescimento da economia entre os 2,4% e os 2,8% em 2018. "Sendo muito escassa a informação qualitativa e quantitativa actualmente disponível para o corrente ano, tornar-se-ia abusivo ver tendências onde elas não podem ser detectadas", justificou o instituto na altura. O PIB acabou por avançar apenas 2,1% nesse período, o que, em retrospectiva, o ISEG explica com "efeitos temporários adversos" e com "uma desaceleração das exportações superior à das importações", que considera a "principal causa directa".

Geral das previsões desce para perto dos 2%

A previsão do ISEG surge em linha com as mais recentes estimativas do Banco de Portugal e de Bruxelas. O banco central português aponta para um crescimento de 2,3% do PIB, o suficiente para "aumentar ligeiramente acima do estimado para o conjunto da área do euro, alcançando o nível observado antes da crise financeira internacional", escreveu o Banco de Portugal no comunicado do Boletim Económico de Junho. 

Em Bruxelas, a Comissão Europeia acredita que Portugal se ficará por um crescimento de 2,2%, uma perspectiva que desilude quando comparada à média da Zona Euro, que a comissão coloca nos 2,3%.

Já o BBVA é a mais pessimista das quatro instituições. O banco previa que o PIB nacional crescesse 2,3% este ano, mas recentemente reviu em baixa e avança uma estimativa de 2% para o conjunto do ano.

Ver comentários
Saber mais PIB ISEG Clima Económico do Instituto Nacional de Estatística Procura Externa Líquida Banco de Portugal Consumo Privado Boletim Económico de Junho Zona Euro Investimento Bruxelas Comissão Europeia Portugal BBVA economia negócios e finanças
Mais lidas
Outras Notícias