Economia Vistos gold: Investimento chinês ultrapassa 2 mil milhões e representa 60% do total

Vistos gold: Investimento chinês ultrapassa 2 mil milhões e representa 60% do total

O investimento chinês acumulado até Dezembro através dos vistos 'gold' atingiu 2.060 milhões de euros, o que representa 60% do montante captado desde que o programa está em vigor, segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
Vistos gold: Investimento chinês ultrapassa 2 mil milhões e representa 60% do total
Miguel Baltazar
Lusa 30 de janeiro de 2018 às 09:10

Entre 2013 e 2017, o investimento proveniente da China - país que reúne maior número de Autorizações de Residência para a actividade de Investimento (ARI) obtidas -, ascendeu 2.060.879.791,06 euros, num total de 3.588 vistos dourados.

 

Em termos acumulados - desde que os vistos 'gold' começaram a ser atribuídos, de 8 de Outubro de 2012 até Dezembro último -, o investimento total captado com este programa atingiu os 3.411.265.842,39 euros. Fazendo as contas, o investimento chinês tem um peso de cerca de 60% do total angariado.

 

Em 2017, o investimento chinês totalizou 306.397.093,97 euros (538 vistos), o que representa uma quebra de 37% face aos 487.492.024,01 euros (848 vistos) registados no anterior.

 

De longe, o melhor ano em captação de investimento proveniente da China foi 2014, altura em que o programa de vistos dourados captou 710.996.841,80 euros (1.235 ARI).

 

Por sua vez, o investimento brasileiro acumulado ascende a 400.252.098,21 euros, com um total de 473 vistos atribuídos entre 2013 e 2017.

 

O Brasil, que ocupa o segundo lugar no programa de atribuição de vistos 'gold', foi responsável por 178.845.779,64 euros (226 ARI) em 2017, mais do que em 2016 (117.795.095,93 euros, correspondente a 142 ARI), sendo considerado o melhor ano de sempre para a captação de investimento brasileiro para Portugal.

 

No que respeita a África do Sul, o investimento acumulado totaliza 139.635.801,71 euros (218 vistos), sendo que o melhor ano de angariação de investimento desta nacionalidade foi 2017, altura em que o montante atingiu 50.474.222,88 euros (81 vistos).

 

Face a 2016, o investimento sul-africano em Portugal captado mediante este programa subiu 25,7%.

 

No ano passado, o investimento através das ARI recuou 3,4%, face a 2016 para 844.088.897,77 euros, tendo sido atribuídos 1.351 vistos 'gold'.

 

Do total do investimento captado em 2017, o requisito da aquisição de bens imóveis continua a ser a grande fonte, com 770.640.332,93 euros. Deste montante, 743.699.901,22 euros corresponde à compra de imóveis no valor igual ou superior a 500 mil euros e 26.940.431,71 euros por via da aquisição de bens imóveis para reabilitação urbana, no montante global igual ou superior a 350 mil euros.

 

O critério de transferência de capitais angariou 73.448.564,84 euros no ano passado.

 

Em 2017, foram concedidos 1.351 vistos dourados, 70 pela transferência de capitais e dois pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

 

Por via do requisito de compra de imóveis, foram atribuídos 1.279 vistos, dos quais 75 para a reabilitação urbana.

 

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento, foram atribuídos 5.553 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016 e 1.351 em 2017.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Mr.Tuga 30.01.2018

Pois...

E inclui a guita, em nota, que entra nas malas dos automóveis?!
Grande "5aSec" avalizada pelo tuga CONTRIBUINTE....

Ciifrão 30.01.2018

A bolha chinesa no crédito empresarial está a mostrar fendas, quando rebentar o efeito vai ultrapassar o sub-prime americano em muito. A economia mundial, onde se inclui a portuguesa, vai deixar de ter a quem vender o lixo empresarial que os chineses têm comprado.

Johnny 30.01.2018

Isto não é investimento, é TERRORISMO ECONOMICO ! Alguns cães estão a empaturrar-se a vender casas as baldes aos chineses enquanto o português da classe média com 800€ mês vai viver para uma arrecadação !
MATEM OS TRAIDORES QUE PERMITIRAM ESTA CATÁSTROFE !

General Ciresp 30.01.2018

Apos o DESASTROSO 25 de abril de 74 do passado seculo com o intentona apassarado a intupir as ruas com a sua FISIONOMIA,os portugueses diziam:vam-se os aneis e os brincos,deixam-nos os dedos e as orelhas.3 decadas a frente levam-nos o q de mais importante 1 pais pode ter"O DOMINIO"somos cordeirinhos

pub