Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Presidente do Parlamento Europeu estranha ida de Barroso para o Goldman Sachs

Martin Schulz considera que seria aceitável se Durão Barroso se dedicasse à escrita ou à carreira académica. E defende mudanças nas regras para os antigos líderes comunitários.

François Lenoir/Reuters
André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 14 de Setembro de 2016 às 10:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O presidente do Parlamento Europeu estranha a ida de Durão Barroso para o Goldman Sachs. E defende mudanças no código de conduta para antigos líderes comunitários.

 

"Devemos adaptar o código de conduta para tornar claro o que os antigos presidentes da Comissão Europeia e comissários podem fazer", disse Martin Schulz ao jornal alemão Die Welt esta quarta-feira, 14 de Setembro, citado pela Reuters.

 

Sublinhou assim que as actuais regras de ética da União Europeia "não são suficientemente claras". E defendeu que o presidente da Comissão Europeia "tomou a decisão certa" ao pedir ao comité de ética para se debruçar sobre este caso.

Martin Schulz estranhou a escolha profissional de Durão Barroso após ter sido líder da Comissão Europeia durante 10 anos. 
"É normal que um antigo presidente da Comissão Europeia esteja à procura de emprego", começou por dizer.

"Ninguém está contra que ele escreva livros ou ensine na universidade. Mas é estranho que Barroso queira aconselhar o maior banco de investimento mundial em relação ao Brexit".

Uma carta de Durão Barroso a Jean-Claude Juncker foi tornada pública na terça-feira. Nela, o português considera que as acusações contra si são "infundadas e totalmente imerecidas". E garante que não vai fazer lobby em nome do banco e que não vai aconselhar o banco em relação ao Brexit.

A missiva do ex-primeiro-ministro português foi escrita após o presidente da Comissão Europeia ter informado a provedora de Justiça europeia que tinha pedido a Barroso para "clarificar as suas responsabilidades" no banco norte-americano. Isto no seguimento do pedido de Emily O'Reilly a Juncker para ele próprio clarificar a posição da Comissão sobre essa função.

As notícias vindas a público davam conta que Durão Barroso iria aconselhar o Goldman Sachs sobre a decisão do Reino Unido de abandonar a União Europeia. Isto levou a provedora europeia a perguntar se Bruxelas vai dar instruções específicas à equipa que vai negociar o Brexit sobre como lidar com pedidos vindos do antigo presidente, segundo a carta a que o jornal Expresso teve acesso.

Por isso, Juncker deu instruções ao secretário-geral da Comissão Europeia para enviar uma carta a Durão Barroso de forma a que o português esclareça qual o seu papel no banco.

Juncker deu também luz verde para a comissão de ética ir analisar as implicações da nova carreira de Durão Barroso, decisão que mereceu o apoio público por parte do presidente francês, François Hollande.

Ao mesmo tempo, o político português vai também deixar de ser recebido pelos líderes e instituições europeias como antigo presidente da Comissão Europeia.

Jean-Claude Juncker deu instruções ao seu gabinete para tratar Durão Barroso como qualquer outro lobista, passando a ser recebido como um "representante de interesses". Isto implica que qualquer contacto de Durão Barroso com comissários ou membros comunitários terá de ser registado.

Ver comentários
Saber mais martin schulz durão barroso comissão europeia jean-claude juncker união europeia brexit goldman sachs
Outras Notícias