Finanças Públicas Dívida pública sobe para máximo de cinco meses

Dívida pública sobe para máximo de cinco meses

Apesar do reembolso do FMI, a emissão de títulos de dívida provocou um novo aumento no valor da dívida pública em Fevereiro. Líquida da depósitos, o valor desceu.
Dívida pública sobe para máximo de cinco meses
Nuno Carregueiro 03 de abril de 2017 às 12:29

O valor da dívida pública, medida na óptica de Maastricht, atingiu 243,49 mil milhões de euros em Fevereiro deste ano, no segundo mês de aumentos e o nível mais elevado em cinco meses.

 

De acordo com os dados revelados pelo Banco de Portugal, o aumento face a Janeiro foi de 643 milhões de euros. Já contra Fevereiro do ano passado, o aumento foi de 12 mil milhões de euros, sendo que no final de 2016 o rácio da dívida pública situava-se nos 130,4% do PIB.

 

Na nota publicada esta segunda-feira, 3 de Abril, o banco central explica este aumento de Fevereiro com a emissão de mais dívida do que aquela que foi reembolsada ao FMI.  

 

O aumento do valor da dívida pública face a Janeiro "reflecte emissões líquidas de títulos de 2,1 mil milhões de euros e uma diminuição dos empréstimos de 1,5 mil milhões de euros, essencialmente por via do reembolso de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (1,7 mil milhões de euros)", salienta o Banco de Portugal.

 

O IGCP concretizou em Fevereiro o primeiro leilão de Obrigações do Tesouro do ano, colocando 1.180 milhões de euros em títulos a 5 e 7 anos, tendo realizado também emissões de dívida de curto prazo. Foi também nesse mês que efectuou o reembolso de 1,7 mil milhões de euros ao FMI, após o qual ficou saldado metade do empréstimo concedido a Portugal no âmbito do pedido de assistência internacional efectuado em 2011.

 

Líquida de depósitos, a dívida pública apresentou uma tendência contrária, registando uma redução de 600 milhões de euros, uma vez que se verificou um aumento mais acentuado dos activos em depósitos, no valor de 1,3 mil milhões de euros.